Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de julho de 2017. Atualizado às 15h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

25/07/2017 - 15h10min. Alterada em 25/07 às 15h11min

Após três anos, Grécia volta ao mercado financeiro com bônus a 4,625%

Agência Brasil
Após três anos fora do mercado financeiro, a Grécia colocou nesta terça-feira (25) um total de 3 bilhões de euros em títulos de cinco anos, a uma taxa de juros de 4,625%. As informações são da agência de notícias EFE.
Segundo informou o governo, a demanda deste bônus com vencimento em 2022 foi de 6,5 bilhões de euros, mais que o dobro do objetivo, e mais de 200 investidores demonstraram interesse em adquirir os títulos.
Em um comunicado, o governo de Alexis Tsipras afirmou que o sucesso desta volta ao mercado "confirma o bom comportamento da economia grega, que está fazendo um progresso constante para a saída definitiva da crise e dos programas de resgate".
Segundo o comunicado, o interesse de mais de 200 investidores pelo bônus "constitui um voto de confiança da comunidade investidora internacional no progresso da economia grega".
O leilão foi dirigido especificamente para resgatar um bônus emitido também em 2014 pelo então governo do conservador Andonis Samaras, cujo rendimento era de 4,95%.
O valor nominal dos bônus que venciam em 2019 era de 4,03 bilhões de euros, de modo que a demanda superou amplamente este volume.
O governo tinha colocado como meta alcançar um rendimento que estivesse abaixo dos 4,95% e dar com isso um primeiro passo para a emancipação da Grécia dos programas de assistência financeira.
O terceiro resgate, cujo desembolso máximo será de 86 bilhões de euros, vence em agosto de 2018 e a partir dessa data a Grécia deverá se financiar exclusivamente nos mercados, ou solicitar nova ajuda caso necessite.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia