Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 25 de julho de 2017. Atualizado às 14h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 25/07 às 14h38min

Bolsas da Europa fecham em alta, com foco em balanços, petróleo e Alemanha

As bolsas europeias fecharam em alta nesta terça-feira (25) em uma sessão marcada pela divulgação de balanços corporativos. Além disso, um dado positivo da Alemanha ajudou a apoiar as bolsas, beneficiadas também pela força do petróleo e do cobre.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,47%, em 381,02 pontos.
O índice de sentimento das empresas da Alemanha subiu de 115,2 em junho para 116,0 em julho, na máxima histórica e acima da previsão dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de 114,9. Entre as commodities, o petróleo e o cobre tiveram altas consideráveis no pregão europeu, o que ajudou papéis de empresas do setor.
Outro destaque do dia veio da Grécia, que conseguiu uma demanda sólida em sua primeira emissão de bônus em três anos. A Grécia vendeu 3 bilhões de euros em papéis com vencimento em 2022, com retorno (yield) de 4,625%. O montante levantado representa, porém, menos de 1% da dívida total de Atenas, que continuará a ter de negociar com seus parceiros europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) ajuda financeira para superar o delicado quadro.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,77%, em 7.434,82 pontos. No setor bancário, Lloyds avançou 1,63%, Barclays subiu 2,04% e HSBC, 2,59%. Entre as mineradoras, Anglo American subiu 6,07% e Antofagasta ganhou 7,46%. A petroleira BP, por sua vez, teve alta de 1,52%.
Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,45%, a 12.264,31 pontos. Entre os bancos alemães, Deutsche Bank e Commerzbank avançaram 2,44% e 2,51%, respectivamente. Siemens subiu 0,77% e Daimler ganhou 0,23%, mas Volkswagen recuou 1,23%, um dia antes de uma reunião extraordinária de seu conselho de supervisão, em meio a alegações de conluio entre montadoras alemãs nos anos 1990.
Na bolsa de Paris, o CAC-40 avançou 0,65%, a 5.161,08 pontos. Entre os papéis mais negociados, Crédit Agricole subiu 2,34% e Atari ganhou 10,81%, enquanto a petroleira Total teve alta de 0,74%. Société Générale e BNP Paribas avançaram 2,60% e 1,46%, respectivamente.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, fechou com ganho de 0,61%, a 21.457,45 pontos. A petroleira ENI subiu 1,00%. No setor bancário italiano, Intesa Sanpaolo avançou 0,77% e UniCredit, 1,61%. A montadora Fiat subiu 0,20%.
Em Madri, o índice IBEX-35 subiu 0,74%, chegando a 10.523,40 pontos. Santander, Banco de Sabadell e BBVA tiveram ganho de 1,84%, 3,69% e 2,02%, respectivamente. CaixaBank subiu 2,07%, mas Iberdrola caiu 0,25%.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 avançou 0,38%, a 5.283,75 pontos. Banco Comercial Português subiu 0,92% e Galp Energia ganhou 1,01%, mas Altri recuou 0,80%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia