Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de julho de 2017. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 24/07/2017. Alterada em 23/07 às 19h35min

Comércio tem queda de 3,2% no primeiro semestre

Setor de tecidos, vestuário e calçados sentiu melhora nos resultados

Setor de tecidos, vestuário e calçados sentiu melhora nos resultados


/CLAITON DORNELLES/JC
As vendas do varejo recuaram 3,2% nos seis primeiros meses do ano em comparação ao período equivalente de 2016, apontou o Indicador do Movimento do Comércio da Boa Vista SCPC. Já no acumulado dos últimos 12 meses encerrados em junho, o indicador apresenta retração de 3,0% frente aos 12 meses antecedentes.
A Boa Vista aponta que desde de novembro do ano passado o indicador vem "gradualmente se recuperando" na análise de 12 meses, mesmo que numa intensidade menor do que a antecipada. "Contudo, para as próximas aferições aguardam-se resultados mais otimistas, uma vez que os efeitos da redução de juros iniciada no 3º trimestre de 2016 devem ser observados com maior intensidade, assim como uma melhoria dos níveis de renda e a continuidade da redução do nível de preços, entre outros fatores", aponta a entidade, em nota.
Já na análise mensal ante o resultado de maio, com ajuste sazonal, a variação ficou positiva em 2,1%. Desconsiderados os efeitos sazonais, o segmento de Móveis e Eletrodomésticos apresentou alta de 5,1% em junho, mas em 12 meses o dado ainda ficou negativo em 3,3%.
As vendas de tecidos, vestuários e calçados avançaram 0,3% na margem sem efeitos sazonais. Na análise de 12 meses da série sazonal, houve recuo de 7,8%. Em supermercados, houve avanço de 0,8% na margem dessazonalizada e recuo de 1,4% em 12 meses, sem ajuste sazonal. Já o segmento de combustíveis e lubrificantes, houve alta mensal de 0,8% considerando dados dessazonalizados, porém queda de 3,7% na série de 12 meses sem ajuste.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia