Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de julho de 2017. Atualizado às 10h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 18/07 às 10h49min

Intenção de consumo das famílias cresce 0,2% em julho ante junho

Ainda assim, a maioria das famílias estão consumindo menos do que no ano passado, aponta pesquisa

Ainda assim, a maioria das famílias estão consumindo menos do que no ano passado, aponta pesquisa


PHILIPPE HUGUEN/AFP/JC
Os brasileiros ficaram levemente mais propensos às compras na passagem de junho para julho, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 0,2%, para 77,3 pontos, em uma escala de 0 a 200. Em relação a julho do ano passado, houve um aumento de 12,5%, a maior variação da série histórica do índice, iniciada em 2010.
"A confiança dos consumidores, que segue em trajetória positiva em relação ao mesmo período do ano passado, vem sendo conduzida pela melhora das expectativas. O início de recuperação das condições econômicas, como a desaceleração da inflação, a queda dos juros e a liberação dos recursos das contas inativas do FGTS, pode levar a uma alta mais consistente ao longo dos próximos meses", previu Juliana Serapio, assistente econômica da CNC, em nota oficial.
O componente Emprego Atual voltou a crescer em relação ao mês anterior (+0,3%), único subitem acima da zona de indiferença (100 pontos), com 107,5 pontos. Na comparação anual, o crescimento foi de 6,9%. O porcentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual foi de 31,3%, ante 31,2% em junho.
Segundo a CNC, o componente Perspectiva Profissional ainda reflete a preocupação das famílias em relação ao mercado de trabalho. O subitem alcançou 95,5 pontos, queda de 1,1% em relação a junho. Na comparação com julho do ano passado, entretanto, houve aumento de 2,1%.
O componente Nível de Consumo Atual apresentou a maior variação anual desde fevereiro de 2016, com aumento de 24,2% ante julho do ano passado, além de crescimento de 1,8% ante junho. Ainda assim a maioria das famílias declarou estar com o nível de consumo menor do que o do ano passado (58,6% do total). O item Perspectiva de Consumo teve queda de 0,2% em relação ao mês anterior, mas registrou aumento de 32,4% na comparação com julho de 2016.
Após duas elevações consecutivas, o item Momento para Duráveis apresentou queda de 0,1% em julho ante junho. Em relação a julho de 2016, o componente teve um avanço de 25,8%, o oitavo aumento consecutivo. O item Acesso ao Crédito, com 70,4 pontos, cresceu 1,5% na comparação com o mês anterior. Em relação a julho de 2016 o incremento foi de 11,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia