Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de julho de 2017. Atualizado às 09h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/07 às 10h02min

Dólar recua ante real em sintonia com o exterior

O dólar opera em queda no mercado doméstico nesta manhã de terça-feira (18) em linha com a desvalorização da moeda norte-americana no exterior em meio aos ganhos de mais de 1,5% do petróleo e diante de um revés das políticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Senado dos EUA.
Ontem (17), o Partido Republicano do presidente Trump desistiu de tentar aprovar um projeto de lei de saúde em substituição ao chamado "Obamacare". Há temores de que a Casa Branca poderá ter dificuldades futuras para implementar outros planos, como gastos em infraestrutura e uma reforma tributária.
Nesta manhã, os Índices Futuros das Bolsas de Nova Iorque tinham viés negativo, após a divulgação de vários balanços de companhias importantes do país e diante da derrota de Trump no Senado do país ontem. Entre as ações em foco, Goldman Sachs recuava 0,99% no pré-mercado, depois de registrar lucro maior no segundo trimestre, porém, de sofrer também recuo de 17% em sua receita com operações na comparação anual. O Bank of America (BofA) também divulgou mais cedo que teve lucro líquido de US$ 5,27 bilhões no segundo trimestre do ano, 10% maior que o ganho de US$ 4,78 bilhões obtido em igual período de 2016. O lucro por ação ficou em US$ 0,46, superando a projeção de analistas, de US$ 0,43.
Os investidores locais devem monitorar durante o dia a precificação do IPO do Carrefour na B3.
Por volta das 9h30min, o dólar à vista registrou máximas, em meio a um movimento de recomposição de compras por tesourarias e importadores após a moeda ter voltado a cair antes ao patamar de R$ 3,17. No horário acima, o dólar à vista registrava R$ 3,1723 (-0,33%), após tocar em máxima aos R$ 3,1740 (-0,28%), enquanto o dólar futuro para agosto recuava 0,31%, aos R$ 3,1820, na máxima.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia