Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 23h12.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 14/07/2017. Alterada em 13/07 às 22h27min

Clima seco e temperaturas altas reduzem área cultivada de trigo

Condições dos solos dificultaram o desenvolvimento das plantas

Condições dos solos dificultaram o desenvolvimento das plantas


COOPLANTIO/COOPLANTIO/DIVULGAÇÃO/JC
A área de plantio de trigo está abaixo da média para o período devido à continuidade do clima seco e das temperaturas elevadas. O longo período sem precipitações ocasionou a diminuição da umidade do solo e, consequentemente, a paralisação do crescimento das plantas. O solo superficialmente muito seco e compactado dificulta o desenvolvimento das raízes superficiais e o crescimento normal das plantas.
"Os solos apresentam grandes volumes de torrões e dificuldades para a descompactação, prejudicando o avanço ou mesmo a finalização do plantio, que chega a 87% da área prevista para o Estado, contra uma média de 92% para o período", afirmou o assistente técnico estadual da Emater, Alencar Paulo Rugeri.
Já a semeadura das últimas áreas de canola no Estado será finalizada nesta semana na região Noroeste. O estresse causado pelas condições climáticas (recuperação após excesso das chuvas e o atual momento de solo seco) deverá ter reflexos negativos na produtividade pelo atraso observado no desenvolvimento das plantas e sua debilidade. A cultura da cevada está em fase de desenvolvimento vegetativo e, pela escassez de umidade do período, apresenta lentidão no crescimento das plantas, causando início de deficiência nutricional.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia