Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 00h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 13/07/2017. Alterada em 12/07 às 21h20min

Comissão aprova texto-base da LDO 2018

Marcus Pestana (PSDB-MG) manteve meta de déficit de R$ 129 bilhões

Marcus Pestana (PSDB-MG) manteve meta de déficit de R$ 129 bilhões


BILLY BOSS/BILLY BOSS/AGÊNCIA CÂMARA/JC
A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aprovou ontem o texto-base da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018. Foi aprovado o relatório apresentado pelo relator, Marcus Pestana (PSDB-MG), que incorporou ao texto a previsão de que emendas parlamentares não sejam contingenciadas em 2018, ano eleitoral. Foram apresentados mais de 300 destaques, que, até o fechamento desta edição, ainda estavam sendo analisados.
O parecer apresentado pelo relator abre espaço de apenas R$ 39 bilhões para expansão dos gastos no ano que vem, o que resulta da correção do teto de 2017 (R$ 1,3 trilhão) pela inflação acumulada em 12 meses até junho (3%). Isso fará com que não haja espaço para novas despesas obrigatórias, e isso só poderia ser feito se o governo cortasse outros gastos da mesma natureza. "A aprovação de projetos de lei, medidas provisórias e atos normativos em 2018 deverá depender sempre de cancelamento compensatório de outra despesa permanente", prevê o relatório.
A equipe econômica argumenta que esse espaço será maior, porque a despesa efetivamente realizada em 2017 ficará abaixo do permitido, devido à frustração de receitas e ao compromisso do governo com a meta de déficit de R$ 139 bilhões. Isso, na prática, abriria margem para uma expansão nas despesas obrigatórias de aproximadamente R$ 80 bilhões.
O relatório de Pestana manteve a meta de 2018, que admite um déficit primário de R$ 129 bilhões para o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central). Também foi garantida a possibilidade de uso de recursos públicos para financiamento das próximas campanhas eleitorais.
O deputado ainda incluiu um dispositivo que eleva o aumento de despesas permitido para saúde e educação. Nessas áreas, além da inflação do período, as despesas poderão se expandir em 0,7%.
Em seu relatório final, Pestana acolheu totalmente 421 emendas e parcialmente 592 emendas, das 2.646 apresentadas ao projeto. De acordo com o relator, não foi acolhida em seu parecer nenhuma emenda que protege um setor específico do contingenciamento orçamentário feito pelo governo. Foram apresentadas emendas excluindo do alcance do corte várias despesas determinadas, como de Embrapa, Forças Armadas, promoção da igualdade de gênero e sistema de vigilância do espaço aéreo. "Ao invés da gastança demagógica e populista, temos que promover ajuste fiscal", afirmou.
Pestana reforçou que a situação fiscal é de muita restrição e acrescentou que a crise política atrapalha a retomada da economia. "O Rio de Janeiro é só a ponta do iceberg do que pode acontecer no Brasil se não tivermos responsabilidade fiscal", acrescentou.
O relator lembrou ainda que a margem de manobra para o governo é curta e está quase no limite, e que é preciso tomar cuidado para não engessar ainda mais a gestão orçamentária na LDO. "O governo eleito em 2018 pode ter uma situação quase ingovernável, e aí vamos entrar nas despesas obrigatórias", alertou.
Com o plenário da comissão lotado de manifestantes pedindo por nomeações de concursados em órgãos como o Tribunal de Contas da União (TCU) e tribunais de Justiça, Pestana também ressaltou que não será possível expansão de servidores nos Poderes que não estão enquadrados nos limites de gastos estabelecidos pela PEC do Teto. "O único poder que poderá expandir o quadro é o Executivo, mas acho difícil isso acontecer", acrescentou.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia