Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 18h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/07 às 08h23min

À espera de depoimento de Yellen, bolsas asiáticas fecham sem direção única

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única e tiveram variações majoritariamente modestas nesta quarta-feira, à espera do primeiro de dois dias de depoimentos da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, no Congresso norte-americano.
Investidores ficarão atentos a Yellen, que hoje fala na Câmara dos Representantes, em busca de indícios dos planos do Fed para as taxas de juros. O Fed já implementou duas das três elevações de juros que previa para este ano.
Há expectativa de que os congressistas pressionem Yellen a esclarecer se ela ainda espera que a inflação dos EUA ganhe força. Outra dúvida é se o eventual terceiro aumento de juros de 2017 virá antes de o Fed começar a possivelmente reduzir seu balanço patrimonial, estimado em US$ 4,5 trilhões.
Na China, as principais bolsas registraram perdas pelo terceiro dia seguido. O índice Xangai Composto recuou 0,17%, encerrando o dia a 3.197,54 pontos, depois de abrir positivo pela primeira vez em nove sessões, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 0,11%, a 1.889,45 pontos. Em Hong Kong, por outro lado, o Hang Seng avançou 0,64%, a 26.043,64 pontos.
Na capital japonesa, Tóquio, o Nikkei teve baixa de 0,48%, a 20.098,38 pontos, após dois pregões de ganhos, em meio à recuperação do iene ante o dólar durante a madrugada, fator que tende a pressionar ações de exportadoras.
A moeda do Japão foi favorecida pela divulgação de e-mails que mostram a relação do empresário Donald Trump Jr. com uma advogada russa durante as eleições de 2016. Os documentos têm o potencial de gerar nova crise envolvendo o presidente dos EUA, Donald Trump, cuja campanha vitoriosa é suspeita de ter se beneficiado de espionagem da Rússia contra a democrata Hillary Clinton.
Na Oceania, o dólar australiano também se fortaleceu, igualmente pressionando os papéis da Bolsa de Sydney. Com o fraco desempenho do setor financeiro, o índice S&P/ASX 200 fechou em queda de 0,96%, a 5.673,80 pontos.
Em outras partes da Ásia, o sul-coreano Kospi caiu 0,18% em Seul, a 2.391,77 pontos, mas o Taiex mostrou alta marginal de 0,05% em Taiwan, a 10.420,68 pontos, e o filipino PSEi exibiu valorização mais robusta em Manila, de 1,02%, a 7.938,37 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia