Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 09h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

Alterada em 11/07 às 09h46min

Venda da Alpargatas à Itaúsa e ao Cambuhy chega a impasse

A venda da Alpargatas - dona de marcas como Havaianas e Osklen - ao fundo Cambuhy Investimentos (da família Moreira Salles) e à Itaúsa (holding de investimentos do Itaú) chegou a um impasse no último domingo (9), dia de intensas negociações.
Segundo apurou o Estado, os investidores e o empresário Joesley Batista não teriam chegado a um acordo sobre o valor do negócio, embora a proposta garantisse lucro à holding J&F em relação ao preço de R$ 2,7 bilhões que o grupo pagou pelo negócio em novembro de 2015.
A Alpargatas, que é considerada um negócio saudável e arrecada mais de 50% de sua receita no exterior, deve mudar de mãos novamente por causa de problemas de seu controlador.
Há pouco mais de um ano e meio, foi vendida à J&F pela Camargo Corrêa, que precisava arrecadar recursos para pagar os compromissos relacionados ao acordo de leniência dentro da Operação Lava Jato.
Agora, a dona da marca brasileira de maior presença no exterior foi posta à venda depois que o grupo J&F - dono da JBS - se viu no centro da crise política após Batista ter feito delação premiada e gravado conversas com o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves.
Embora o ativo tenha outros interessados, uma fonte afirmou que isso não quer dizer que o possível casamento com Cambuhy e Itaúsa esteja totalmente descartado. Segundo ela, o valor a ser pago pela Alpargatas vai superar R$ 3 bilhões, garantindo que o investimento na dona da Havaianas, que foi financiado pela Caixa, seja marginalmente lucrativo para a J&F.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia