Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 08h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 11/07 às 08h39min

Cobre tem direções divergentes, com chance de greve no Chile e petróleo fraco

Os contratos futuros de cobre operam em direções distintas nesta terça-feira (11), influenciados pela possibilidade de greve em minas no Chile e pelo enfraquecimento do petróleo no mercado internacional.
Há pouco, na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses subia 0,13%, cotado a US$ 5.844,00 por tonelada. Por outro lado, na New York Mercantile Exchange (Nymex), o metal com entrega para setembro recuava 0,08%, a US$ 2,6455 por libra-peso.
Os preços sobem em meio ao estado de greve dos trabalhadores da mina Zaldívar, de propriedade da Antofagasta e da Barrick Gold. Eles decidiram ontem que a paralisação terá início na próxima segunda-feira e reivindicam aumento salarial. A unidade produz mais de 100 mil toneladas de cobre por ano e a paralisação dela pode diminuir a oferta global do metal, lembrou, em nota, analistas do ING Bank.
"Greves em minas de cobre podem ajudar os preços do cobre e eu suspeito que este será o caso do segundo semestre deste ano", completou o chefe de pesquisa de metais do Société Générale, Robin Bhar.
Por outro lado, a reversão dos preços do barril do petróleo nas últimas horas puxou para baixo o cobre negociado na Nymex.
Ainda na LME, a tonelada do zinco subia 0,59%, a US$ 2.791,00; a do alumínio ganhava 0,18%, a US$ 1.899,50; a do estanho caía 0,08%, para US$ 19.840,00; a do níquel avançava 0,55%, para US$ 9.060,00; e o do chumbo tinha valorização de 0,24%, cotada a US$ 2.320,50.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia