Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de julho de 2017. Atualizado às 17h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Alterada em 10/07 às 17h57min

Vendas de cimento no País caem 8,8% no primeiro semestre

As vendas de cimento no País atingiram 4,45 milhões de toneladas em junho, queda de 8,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com dados preliminares divulgados nesta segunda-feira, 10, pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic). Com isso, as vendas no primeiro semestre de 2017 fecharam em 26,0 milhões de toneladas, um recuo de 8,8% em relação ao mesmo período de 2016. Nos últimos 12 meses encerrados em junho, as vendas acumuladas totalizaram 54,9 milhões de toneladas, 9,8% menores do que nos 12 meses anteriores.
O presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic), Paulo Camillo Penna, avaliou que os resultados alcançados no primeiro semestre estão em linha com as projeções da instituição e mostram sinais de desaceleração na trajetória de queda do consumo.
Penna acrescentou que o setor vive a expectativa de resultados melhores nos próximos seis meses: "Tradicionalmente, o consumo de cimento tem melhor desempenho no segundo semestre. Nossa estimativa é fecharmos o ano com queda acumulada entre 5% e 9%", estimou, em nota.
O sindicato calcula que o setor já acumula um enxugamento de 23% no nível de vendas no mercado interno entre dezembro de 2014 (último ano em que o setor cresceu) e junho de 2017. Isso vem pressionando para baixo os preços do cimento, enquanto a elevação da ociosidade das indústrias tem impactado os custos fixos das produtoras do insumo.
Além disso, o setor também vem sofrendo impactos em seus componentes de custos de produção e distribuição (combustíveis, energia elétrica e frete), cujos preços acumulam aumentos entre 20% e 40% no período, afirma a entidade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia