Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de julho de 2017. Atualizado às 17h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

07/07/2017 - 17h09min. Alterada em 07/07 às 17h11min

Inflação ao consumidor do México sobe 0,25% em junho ante maio

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do México subiu 0,25% em junho ante o mês anterior, abaixo da previsão de alta de 0,27% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. O CPI teve avanço de 6,31% em junho na comparação anual, acima dos 6,16% de maio, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE). O núcleo do índice, que exclui energia e frutas e vegetais frescos, subiu 0,30% no mês e 4,83% no ano.
Após acelerar no início do ano graças aos preços mais altos da gasolina e ao impacto do peso mais fraco, a inflação parece ter desacelerado mais para o fim de junho. O CPI subiu apenas 0,03% nas duas últimas semanas do mês.
Em 22 de junho, o Banco Central do México elevou os juros em 0,25 ponto porcentual, para 7%, no patamar mais alto desde 2009. O BC notou que a inflação subia em ritmo mais moderado nos últimos meses e que espera uma desaceleração dos preços mais para o fim do ano, até ela volte à meta de 3%, no quarto trimestre de 2018.
"O dado de hoje reforça a mensagem do banco central de sua última reunião de que o ciclo de aperto está provavelmente encerrado", afirmou a Capital Economics. A consultoria espera que a taxa de juros siga em 7% ao longo deste ano, antes da desaceleração inflacionária provocar um debate sobre cortes de juros.
Economistas ouvidos pelo BC mexicano no mês passado estimaram que a inflação iria terminar o ano em 6%, mas desaceleraria para 3,8% em 2018. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia