Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 21h55min

Governo do Estado tenta evitar perda da concessão da CEEE-D

Reunião do governo do Estado com ministro objetivou impedir processo que pode levar a perda dos ativos

Reunião do governo do Estado com ministro objetivou impedir processo que pode levar a perda dos ativos


/JONATHAN HECKLER/JC
Thiago Copetti
Temendo perder a concessão para operação da Companhia Estadual de Energia Elétrica na área de distribuição (CEEE-D) por ausência de investimentos, o governo do Estado se reuniu ontem, em Brasília, com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. De acordo com o secretário estadual de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, o processo de caducidade da concessão poderia levar o governo gaúcho a ter de assumir o passivo da CEEE -D e perder os ativos, gerando mais um baque às finanças do Estado.
"Não temos como fazer os investimentos que seria necessários, nem com recursos da CEEE-D, que é deficitária, nem com recursos do Estado, que não tem dinheiro em caixa. Pelas nossas estimativas, seriam necessários aplicar somente neste ano R$ 800 milhões na companhia. Os técnicos da Aneel calculam um valor ainda maior, de R$ 880 milhões", explica Lemos.
No encontro, diz o secretário, Rufino afirmou que será aberto um processo interno para analisar o pleito do governo gaúcho. Lemos, porém, destacou que mesmo uma resposta positiva da Aneel não elimina o desafio do governo do Estado de manter a qualidade serviço sem fazer investimentos. Como os problemas de caixa tanto da CEEE-D como do Estado não devem ser solucionados em 2018, segue em pauta a federalização ou privatização da CEEE para o próximo ano, assim com o risco de caducidade da concessão.
"Infelizmente, não conseguimos ter a aprovação para fazer o plebiscito para a venda da CEEE neste ano, o que esperamos fazer no próximo. Não podemos tirar o direito de a população decidir isso antes que os passivos da companhia venham todos a recair sobre nas finanças do Estado", alerta Lemos.
De acordo com o secretário de Minas e Energia do Estado, apena em 2016 a CEEE-D apresentou balanço com déficit de R$ 520 milhões, isso após perdas sucessivas nos últimos anos. Ainda segundo Lemos, por diferentes motivos e com diferentes valores, também enfrentam perdas as companhias de energia de Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Goiás, entre outras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia