Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 14h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/07/2017 - 14h19min. Alterada em 04/07 às 14h26min

Bolsas da Europa recuam após Coreia do Norte realizar teste de míssil

Em um pregão de baixa liquidez devido ao feriado do Dia da Independência nos Estados Unidos, os mercados acionários europeus fecharam majoritariamente em queda nesta terça-feira (4) influenciados por um teste bem-sucedido da Coreia do Norte de um míssil intercontinental no Mar do Japão. Além disso, um movimento de realização de lucros após fortes ganhos registrados na sessão anterior, quando o índice pan-europeu Stoxx 600 subiu mais de 1%, contribuiu para a baixa. Nesta terça-feira, o Stoxx 600 recuou 0,12%, aos 382,95 pontos.
A mensagem de Pyongyang - de um teste bem-sucedido - contradisse autoridades dos EUA e da Coreia do Sul, que afirmaram se tratar de um míssil de médio alcance. O teste foi condenado por líderes mundiais: o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediu aos líderes chineses e russos que atuem de forma mais ativa na questão do programa bélico do regime de Kim Jong Un; já o presidente americano, Donald Trump, comentou, em seu perfil no Twitter, que é difícil ver a Coreia do Sul e o Japão "aguentando a situação por muito mais tempo. Esse cara (Kim Jong Un) não tem coisa melhor para fazer? Talvez a China se mexa sobre a Coreia do Norte e acabe com esse nonsense de uma vez por todas!".
Reunidos em Moscou, o presidente da China, Xi Jinping, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, também comentaram o assunto. Moscou e Pequim propuseram que a Coreia do Norte declare uma moratória sobre os testes balísticos e nucleares em troca do fim de exercícios militares de grande escala conduzidos pelos EUA e pela Coreia do Sul na região. O pedido foi feito em um comunicado conjunto emitido pelos ministros de Relações Exteriores de ambos os países, após a reunião entre os dois presidentes.
Único indicador relevante do dia, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da zona do euro registrou deflação de 0,4% na passagem de abril para maio, segundo o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Na comparação anual, o PPI registrou avanço de 3,3%.
Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,27%, aos 7.357,23 pontos. Os bancos, que haviam registrado uma forte alta no dia anterior, registraram perdas nesta terça-feira: o Lloyds caiu 0,58%; o Barclays perdeu 0,05% e o HSBC recuou 1,11%. Entre as ações de energia, a Royal Dutch Shell subiu 0,07%, tendo esboçado uma reação após os preços do petróleo passarem a avançar na metade final da sessão; a BP, no entanto, fechou em baixa de 0,29%.
O índice CAC-40, da bolsa de Paris, foi outro que fechou no vermelho, com queda de 0,40%, aos 5.174,90 pontos. Entre as maiores quedas, destaca-se a Air France-KLM, que recuou 2,37%; já o BNO Paribas perdeu 0,40%, enquanto outros bancos, como o Société Générale (+0,43% e o Crédit Agricole (+1,00%) fecharam em alta.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,31%, aos 12.437,13 pontos. Entre as instituições financeiras, o Deutsche Bank fechou em alta de 1,86%, mas não conseguiu firmar o índice no terreno positivo, visto que outras companhias, como o Commerzbank (-0,87%) e a E.ON (-0,46%) ficaram no vermelho. Na sessão marcada pela baixa liquidez, as ações de montadoras registraram perdas, após os registros de novos automóveis alemães terem caído 3% em junho na comparação anual. A BMW baixou 0,84% e a Daimler fechou perto da estabilidade, com alta de 0,03%.
Milão foi uma das praças que destoaram das demais, com o índice FTSE-Mib fechando em alta de 0,09%, aos 21.031,05 pontos. Nesta manhã, o governo italiano informou que assumiu formalmente o controle do banco Monte dei Paschi di Siena, no mesmo dia em que a Comissão Europeia aprovou o pedido de recapitalização da instituição em 5,4 bilhões de euros. O setor bancário italiano reagiu positivamente às duas notícias e fechou em alta, com o Banco BPM subindo 1,73% e o Unicredit avançando 1,65%.
O índice Ibex-35, da bolsa de Madri, fechou em queda de 0,35%, aos 10.566,70 pontos. Já na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em leve alta, de 0,01%, aos 5.181,15 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia