Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de julho de 2017. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 04/07/2017. Alterada em 03/07 às 21h23min

CVM divulgará estatísticas de investidores não residentes

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) voltará a divulgar, em setembro, informações de investidores não residentes. Os dados serão elaborados pela Assessoria de Análise Econômica e Gestão de Riscos (ASA) e pela Superintendência de Relações com Investidores Institucionais (SIN) no Boletim de Mercado e nas Séries Históricas.
De acordo com a Instrução CVM 560, desde julho de 2016 os representantes de investidores não residentes no Brasil têm por obrigação entregar dados mensais à autarquia em novo formato e conteúdo. A CVM fez ajustes em seus sistemas para que participantes do mercado e a sociedade possam consultar esses dados de forma simples e rápida. "O restabelecimento na divulgação da informação é importante, pois permitirá a investidores, profissionais da área e acadêmicos acompanhar mais de perto os movimentos macro desse importante segmento do mercado brasileiro", diz Bruno Luna, chefe da ASA.
Entre outras coisas, será possível visualizar o montante consolidado de investimentos de cada um dos mais relevantes representantes de investidores não residentes. "Será ainda possível a detecção de inconformidades na elaboração e envio de tais informações, pelo que reforçamos ainda mais a atenção dos representantes dos investidores não residentes na elaboração e envio das informações à CVM, a fim de evitar retrabalho na correção de informações inconsistentes", afirma Daniel Maeda, superintendente da SIN.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia