Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 20h23min

Guerra política

A denúncia é guerra política que hoje seria vencida por Michel Temer (PMDB). O presidente tem os votos para impedir que a Câmara aprove a admissibilidade da investigação pelo Supremo Tribunal Federal. Essa é a avaliação do sociólogo Murilo Aragão, da Arko Advice. Ele acredita que a denúncia da Procuradoria-Geral da República não vai prosperar na Câmara dos Deputados sem fatos novos.
Tempo joga contra
Para o analista político Antônio Augusto Queiroz, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o tempo joga contra a estratégia do presidente Temer, e a pressão da base vai pesar muito. "Hoje, o presidente teria os 172 votos necessários, mas, no segundo semestre, seria diferente. Quanto mais dura a crise, mais ele fica vulnerável e menos tem a oferecer aos deputados."
Desaprovação desmobilizada
A aposta da oposição de que a pressão dos eleitores na base pode virar o placar contra Temer é questionada por Murilo Aragão. "Dois terços dos deputados são carregados pelo quociente eleitoral. A maioria não é patrulhada pelas redes sociais como os parlamentares dos grandes centros eleitos por voto de opinião. Temer tem uma desaprovação desmobilizada", disse o sociólogo.
Prova sem prova
"A denúncia é vista no Congresso mais como um documento político do que jurídico. Ela é tratada pelos deputados como uma guerra aberta ao campo político. Seria, portanto, uma carta branca para a delação virar prova sem prova", avaliou Murilo Aragão.
O despertar do dragão
Em momento descontraído da audiência com o embaixador da China, o senador gaúcho Lasier Martins (PSD) disse que a profecia de Napoleão Bonaparte, em 1816, se confirmou: "Quando o dragão chinês acordar, o mundo tremerá". O gaúcho ouviu do embaixador que a previsão se realizou, mas apenas em sua metade. "O dragão, sim, despertou, mas o mundo não tremeu." Para o embaixador, a China considera que seu próprio desenvolvimento está ligado à parceria com países amigos para alcançar seu progresso. Lasier foi em busca de investimentos para o Rio Grande do Sul.
Erva-mate no Congresso
Com a assinatura de 215 deputados federais e 15 senadores, a Frente Parlamentar da Erva-Mate será lançada hoje, às 10h, no Congresso. Presidida pelo deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB), a frente funcionará como um fórum de discussões sobre os principais gargalos enfrentados pelo setor. "Precisamos ampliar o debate sobre a cultura, a fim de sanar os gargalos e promover o aumento do consumo e da produção", destaca Schuch.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia