Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de julho de 2017. Atualizado às 22h58.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 11/07/2017. Alterada em 10/07 às 19h21min

Jovens deixam o Brasil

São 13,8 milhões de almas que perambulam pelo purgatório que se tornou o mercado brasileiro de trabalho. A maioria, mão de obra intensiva, seguindo-se o pessoal de nível médio e o que era em tempos normais um segmento quase imune às crises, o pessoal graduado! Centenas de pessoas, notadamente jovens entre elas, estão deixando o Brasil em um movimento que era somente de aquisição de conhecimento, mas que tomou uma abrangência maior, pois muitos não voltarão ao Brasil. Não há aqui oportunidade para eles a médio prazo. A crise política que arrastou a economia ao caos é democrática e republicana. Patrocinada pelos políticos criminosos que destruíram carreiras e sonhos, não diferenciou ninguém. (Hugo Teixeira, empresário, Gramado/RS)
Crise econômica
As notícias sobre o Brasil, na economia, são contraditórias. Um dia, estamos em recuperação. No outro, está tudo fechando. Temos que largar o pessimismo e tratar de trabalhar. (Cristina Maria Roque)
Corrupção
Em cinco séculos, um país pode conseguir solucionar seus problemas. A matemática condena o cálculo falso pela lógica, diante de um rombo feito por um sistema de corrupção no corporativismo político, que promove o domínio conservador da classe exploradora dirigente do capitalismo patrimonialista consolidado, onde o modelo algema o povo, degenera a insegurança na violência do crime organizado. A fragmentação assolada no gelatinoso desmoronar da sucata do processo político indica uma provável combustão socioeconômica futura. (Hélder P. Mayer, produtor cultural, Alvorada/RS)
Imposto sindical
As negociatas continuam. É incrível este mundo político, o presidente se reunindo com sindicalistas para rever a reforma trabalhista e o imposto sindical, é simplesmente inaceitável. O imposto sindical e as contribuições tanto de sindicatos patronais como de trabalhadores e para as federações não devem ser compulsórios. O custo Brasil está extrapolando os limites do bom senso. Está mais do que na hora de pensar no Brasil, não em se manter no poder. Vamos seguir o exemplo da França, da Alemanha, do Japão para que possamos nos orgulhar de nossos mandatários. (Bruno Pedro Rech, contador, Sarandi/RS)
Freeway
Deixem a freeway com a Triunfo/Concepa. É a melhor rodovia federal do Brasil. E se a proposta da concessionária tivesse sido aceita, já teríamos a segunda ponte do Guaíba. (Celso de Freitas, Osório/RS)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia