Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de julho de 2017. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 01/08/2017. Alterada em 31/07 às 21h21min

Frases e personagens

"A Operação Pulso Firme teve a colaboração de autoridades federais. Quando assumi a Segurança, tinha cerca de 80 presos em delegacias. Depois, chegaram a 300. Mas estamos trabalhando para entregar todo o presídio de Canoas." Cezar Schirmer, secretário de Segurança.
"Segurança total é utopia, nem nos Estados Unidos existe. Mas nunca se prendeu tanto no Estado como nos últimos meses. O roubo ou furto de carro, notificado logo, tem mostrado uma recuperação dos veículos muito boa." Também Cezar Schirmer.
"Vamos à Justiça contra o fim da segunda passagem, da integração. A medida vai prejudicar os estudantes com menos recursos." Fernanda Melchiona (P-SOL), vereadora de Porto Alegre.
"O prefeito Nelson Merchezan Júnior (PSDB) tinha que dialogar mais com a sua base na Câmara, como o fim da integração e outras medidas no transporte coletivo." Claudio Janta (SDD), líder do governo na Câmara Municipal.
"Descobriram o transporte coletivo como fonte de debate ideológico em Porto Alegre. Esqueceram que o prefeito Olívio Dutra (PT) encampou as empresas. Meses depois, devolveu, mas pagou R$ 10 milhões de indenização (a população pagou), mais o plus tarifário." Valter Nagelstein (PMDB), vereador de Porto Alegre.
"São apenas quatro famílias no comando das empresas privadas, com lucro de 9%, aqui em Porto Alegre." Roberto Robaina (PSOL), vereador de Porto Alegre.
"O governador Sartori parece um 'reizinho' que manda no Estado. Há professores sem condições emocionais de comparecer nas escolas, com o parcelamento dos salários. Muitos nem dinheiro têm para pagar a passagem de ônibus." Helenir Schürer, presidente do Cpers.
"Desobedecendo a decisão do TJ-RS, que proibiu o Estado de parcelar salários, o governo Sartori, pela 20ª vez, parcelou o pagamento. O primeiro depósito foi de apenas R$ 650,00. Não queremos esmola, queremos a integralidade." Também Helenir Schürer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia