Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 23h12.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 14/07/2017. Alterada em 13/07 às 21h38min

Frases e personagens

"Até agosto de 2018, antes da eleição, o processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro - que sustentou a sentença em 218 páginas, da qual pode-se concordar ou não, é da democracia - estará julgado em segunda instância. Posso afirmar, com quase absoluta certeza, que antes da eleição esse processo já estará pautado e julgado no tribunal. Um político só se torna inelegível se a condenação ocorrer antes do registro da candidatura." Carlos Eduardo Thompson Flores, desembargador, presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
"A defesa do ex-presidente Lula e o MPF poderão, inicialmente, ingressar com um recurso ao juiz Sérgio Moro, chamado de embargo de declaração. Apenas depois dele é que são impetradas as apelações de sentença ao TRF-4. O MPF quer aumentar a pena, e a defesa vai recorrer porque visa a uma absolvição. Mas, antes disso, cabe o embargo de declaração, que é para o próprio juiz. As decisões têm sido tomadas com celeridade. O juiz Sérgio Moro já proferiu 32 sentenças da Operação Lava Jato, das quais 28 registraram apelações ao TRF-4 e 12 delas já foram julgadas." Também Carlos Eduardo Thompson Flores.
"A única aposta que o PT fez depois que saiu do governo foi montar uma estratégia para a eleição de 2018, e apostou em uma bala de prata - a candidatura de Lula. Essa é uma estratégia da derrota, e sem plano B." Aldo Fornazieri, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política-SP.
"O partido olhou muito mais para o seu umbigo, com uma única estratégia para voltar ao poder, em vez de propriamente olhar para os problemas sérios do País. Se o PT tivesse sido competente, teria proposto um programa para 2018 antes de pensar na candidatura." Também Aldo Fornazieri.
"A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não é uma questão partidária. Fica a certeza de que a Justiça funciona e que condene todos os que infringiram a lei." Nelson Marchezan Júnior (PSDB), prefeito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia