Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de julho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 05/07/2017. Alterada em 04/07 às 19h42min

Frases e personagens

Raul Veloso

Raul Veloso


VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
"O governo pode tentar ganhar tempo usando o corte de juros como um argumento a seu favor, no caso de não cumprir a meta de déficit primário de R$ 139 bilhões para este ano. O governo pode pleitear uma revisão da meta e justificar o não cumprimento dizendo que a recessão foi mais aguda do que se imaginava, mas que se tentou compensar diminuindo o impacto dos juros na dívida." Raul Velloso, especialista em finanças públicas.
"A queda dos juros básicos ajudará a impulsionar uma redução nos gastos públicos. A conta dos juros pagos pelo governo deve fechar o ano em R$ 402,2 bilhões, ou R$ 4,8 bilhões a menos que no ano passado e R$ 99,6 bilhões a menos que em 2015, levando em consideração uma taxa de 8,75% ao fim do ano." Projeções da consultoria Tendências.
"Os juros básicos estão no menor nível desde janeiro de 2014, quando estavam em 10% ao ano. Entre o fim de 2012 e abril de 2013, a Selic foi mantida em 7,25% ao ano, no menor nível da história, e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Apenas em outubro de 2016 o Copom voltou a reduzir a Selic." José Marcio Camargo, professor da PUC-Rio.
"É constrangedor para todo o brasileiro ter um presidente da República denunciado criminalmente no Supremo Tribunal Federal (STF). Ao escolher o relator da denúncia por corrupção contra Michel Temer (PMDB) na comissão, minha decisão levou em conta critérios técnicos, como conhecimento jurídico." Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.
"Eu tenho esperança, no sentido de quase certeza, digamos assim, absoluta de que nós vamos ter sucesso na Câmara dos Deputados até por uma razão, quando você examina a tal da denúncia, você vê desde logo sua inépcia." Michel Temer (PMDB), presidente da República.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia