Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de junho de 2017. Atualizado às 23h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 23/06/2017. Alterada em 22/06 às 21h15min

Temer reconhece que país vive 'crise política'

Michel Temer abandona pauta oficial em Oslo e comenta acusações

Michel Temer abandona pauta oficial em Oslo e comenta acusações


BETO BARATA /PR/FOTOS PÚBLICAS/JC
O presidente Michel Temer reconhece que o Brasil vive uma crise política e garante que irá recorrer da decisão do juiz que não aceitou sua queixa-crime contra o empresário Joesley Batista.
"Eu reconheço que há uma crise política, é evidente", disse Temer, em viagem a Oslo (Noruega). "E que eu estou tomando as providências mais variadas para defender os aspectos, primeiro institucionais da Presidência, mas também morais", afirmou.
O juiz Marcos Vinícius Reis, da 12ª Vara Federal de Brasília, rejeitou na terça-feira passada, a queixa-crime que Temer havia apresentado contra o empresário e delator Joesley Batista na segunda-feira, 19, sob a alegação de difamação, calúnia e injúria.
Essa foi uma das duas ações movidas pelo presidente contra o dono do Grupo J&F depois de entrevista de Joesley à revista Época no fim de semana apontar Temer como chefe de quadrilha - a outra foi na Tribunal de Justiça do Distrito Federal e é por danos morais. Para a defesa do peemedebista, o executivo agiu por "ódio" para prejudicar Temer e "se salvar dos seus crimes".
"O cidadão que faz as acusações que faz, eu estou propondo ações competentes, pelo Judiciário", disse Temer.
Sobre a recusa do juiz em aceitar sua queixa, Temer deixou claro que vai recorrer. "Foi recusado, mas vai haver recurso", disse. "O que juiz disse é que, se você ofender alguém, isso é liberdade de expressão. Se for assim, e eu não vou fazer isso com ninguém, mas se eu quisesse fazer o que ele acabou dizendo, eu poderia dizer as maiores barbaridades das pessoas da família de alguém e dizer que é liberdade de expressão e que não se pode fazer nada", afirmou. "Essas questões se resolvem no plano jurídico e vai ao Judiciário", completou.
Apesar de reconhecer a existência da crise, Temer garante que ela não afeta a economia. "É interessante, a crise política não está invalidando a economia", disse. "Podem pegar os dados, de emprego em maio, no mês anterior foram 60 mil vagas",

Loures usou avião da FAB ao receber mala de dinheiro

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) viajou "de carona" com o ministro de Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD), em um jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB), de Brasília para São Paulo, para pegar a mala com R$ 500 mil em espécie - o dinheiro seria propina paga pela JBS.
A viagem ocorreu no dia 27 de abril, às 19h. No dia seguinte, Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer (PMDB), foi filmado pela Polícia Federal carregando a mala contendo 10 mil notas de R$ 50. As informações constam de relatório da PF na Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato que mira no ex-deputado e em Temer.
Segundo registros da FAB, Kassab foi o requisitante da aeronave usada por Loures. A assessoria de Kassab disse que "é prática comum que parlamentares usem aeronaves da FAB para deslocamento, quando disponíveis".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia