Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 12h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 21/06 às 12h39min

Calendário acertado mantém votação da reforma trabalhista para dia 28 na CCJ

Após debate de mais de 1h30, senadores finalmente chegaram nesta quarta-feira a um acordo sobre a tramitação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A oposição conseguiu tempo para realizar audiência pública sobre o tema na próxima terça-feira e ainda abriu espaço para que os votos em separado ao projeto sejam apresentados na quarta-feira, antes do debate e da posterior votação do relatório na CCJ.
O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), tentou impedir o acordo, mas a pressão da oposição acabou abrindo espaço na agenda da CCJ. Pelo calendário acertado pelos senadores, haverá audiência pública sobre aspectos legais da reforma trabalhista na próxima terça.
Há atualmente 20 requerimentos para convidar especialistas sobre a legalidade do projeto em tramitação no Senado. É possível que sejam realizadas duas audiências no mesmo dia - uma pela manhã e outra à tarde. O calendário anterior não previa a realização de audiência nessa comissão.
No dia seguinte, a quarta-feira começará com a abertura de uma sessão extraordinária da CCJ às 9h45 para a leitura dos votos em separados ao tema - espécie de relatório alternativo ao projeto da reforma trabalhista, que pode ou não ser avaliado e votado pelos demais senadores.
Pelo acordo, senadores terão até 16 horas para apresentar os votos em separado. Em seguida, começará o debate sobre o tema com previsão regimental de 10 minutos de fala para cada senador inscrito na sessão. Terminada a sessão de discussão, o relatório finalmente será votado pela comissão. Não há previsão para o momento da votação, que pode acontecer apenas à noite.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia