Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de junho de 2017. Atualizado às 23h52.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

Notícia da edição impressa de 14/06/2017. Alterada em 13/06 às 22h08min

Fachin determina transferência de Loures para cadeia

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a transferência do ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), do Complexo Penitenciário da Papuda, para a carceragem da Polícia Federal, em Brasília.
A decisão se deu em resposta a um pedido apresentado pela defesa do ex-assessor especial do presidente Michel Temer (PMDB), com quem é investigado em um inquérito aberto com base nas delações da JBS. A defesa apontou "ameaças diretas e indiretas à vida de Rodrigo" no pedido.
No relatório de Fachin, o ministro destaca que, "em 08 de junho de 2017, o pai do requerente teria recebido uma ligação telefônica de um conhecido da família que lhe avisou estar o requerente correndo risco de vida caso não concordasse com a delação premiada". A defesa também disse que o interior de prisões é um local "propício para se encaminhar 'um matador'".
"Os fatos narrados, ainda que não estejam desde logo embasados em elementos probatórios que lhes deem suporte, são graves o suficiente para que se dê ao menos notícia ao Ministério Público, a quem incumbe, no âmbito de suas atribuições, deflagrar instrumentos voltados à respectiva apuração", afirmou Edson Fachin, em sua decisão, remetendo os autos à Procuradoria-Geral da República (PGR) para que se manifeste sobre o pedido de Rodrigo Rocha Loures, que buscava passar para a prisão domiciliar.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia