Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de junho de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 13/06/2017. Alterada em 12/06 às 21h20min

Prefeitura de Porto Alegre contratará 70 profissionais de saúde

Harzheim foi à Câmara para pedir a aprovação da medida, que integra a Operação Inverno

Harzheim foi à Câmara para pedir a aprovação da medida, que integra a Operação Inverno


LEONARDO CONTURSI/LEONARDO CONTURSI/CMPA/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Os vereadores de Porto Alegre aprovaram, nesta segunda-feira, a contratação de 70 profissionais para integrar a Operação Inverno da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O Projeto de Lei nº 008/17, de autoria do Executivo, autoriza o município a contratar 15 enfermeiros e 40 técnicos de enfermagem para trabalhar durante a estação no Hospital Presidente Vargas e em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Capital. Já 15 auxiliares de farmácia serão encaminhados para, além do Presidente Vargas e das UPAs, as farmácias distritais administradas pela Secretaria da Saúde.
Para garantir votos suficientes para passar o projeto, o secretário municipal da Saúde, Erno Harzheim, foi até a Câmara conversar pessoalmente com os vereadores para explicar o interesse da administração municipal, liderada pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), em garantir a aprovação.
"A curto prazo, a chegada dos profissionais de saúde vai diminuir o tempo de espera para entrega de medicamentos nas farmácias distritais, assim como aumentar a capacidade de atendimento, podendo atender a mais pessoas e em menos tempo", afirma o secretário. A prioridade será chamar candidatos que tenham sido aprovados em concursos municipais na área da saúde para ocupar os cargos. Uma possível negativa para o contrato temporário não vai afetar a convocação definitiva futura.
De acordo com Harzheim, o próximo passo, não mais em curto prazo, é chamar esses profissionais já aprovados em concurso. "Teremos nomeações a fazer por um ponto de vista efetivo", diz Harzheim, "a fim de ter lotação completa em todas as equipes do Saúde da Família".
O projeto foi aprovado unanimemente pelos parlamentares, algo não muito comum no histórico de projetos de lei enviados pelo Executivo à Câmara Municipal. Na tribuna, o vereador Marcelo Sgarbossa (PT) definiu a tarde desta segunda-feira como "atípica", e afirmou que a oposição não vai deixar de votar favoravelmente em projetos que considera relevantes para a Capital.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia