Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 10h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 08/06 às 10h51min

Calendário de reforma trabalhista citado por Jucá indica atraso de 1 semana

Por pressão dos senadores de oposição, a tramitação da Reforma Trabalhista será atrasada em pelo menos uma semana. Em acordo costurado nesta quinta-feira (8) após bate-boca ocorrido antes da abertura da sessão Comissão de Assuntos Sociais (CAS), parlamentares concordaram em apresentar o relatório da reforma apenas na próxima terça-feira, dia 13, e votar o tema na terça seguinte, dia 20, nessa comissão.
Com isso, o novo calendário indica que o texto ficaria pronto para ir a plenário em 28 de junho, mesmo dia previsto para a votação do parecer na última comissão de tramitação da matéria na Casa, a de Constituição e Justiça (CCJ).
O calendário mencionado pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), cita que, após votação na CAS, a Reforma Trabalhista irá para a CCJ em 21 de junho, quando o próprio senador Jucá - relator do tema no colegiado - deverá apresentar o parecer aos demais membros da comissão, com votação nesta comissão no dia 28 pela manhã.
"A Reforma Trabalhista, então, ficará pronta para ser votada no plenário no dia 28/06, portanto, com previsão de aprovação até o final do mês", disse Jucá, pelo Twitter.
Antes mesmo do início da sessão da CAS, membros da comissão bateram boca sobre o andamento da Reforma Trabalhista na comissão.
O senador Paulo Paim (PT-RS) liderou o movimento que questionou eventual descumprimento do regimento ao apresentar tema à comissão sem cumprir o prazo mínimo de dois dias para a apresentação antecipada da pauta.
Paim se exaltou e vários parlamentares debateram o tema por vários minutos antes do acordo anunciado por Jucá.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia