Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de junho de 2017. Atualizado às 22h19.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Notícia da edição impressa de 05/06/2017. Alterada em 04/06 às 20h52min

Gleisi Hoffmann é eleita presidente do Partido dos Trabalhadores

Sob forte intervenção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o PT elegeu, neste sábado, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) para a presidência do partido.
Ministra do governo Dilma Rousseff (PT), Gleisi virou ré na Operação Lava Jato sob suspeita de ter recebido R$ 1 milhão do esquema de corrupção da Petrobras.
Ela ironizou ao responder se sua situação prejudicaria o partido: "Mais do que já fizeram? Como vai atrapalhar mais?", reagiu a senadora. "Não vejo como tentar desconstruir mais a imagem do partido como já foi feito."
Integrante do CNB (Construindo um Novo Brasil), principal grupo do partido, Gleisi recebeu apoio de Lula, que procurou dirigentes de correntes minoritárias para que apoiassem a candidatura de Gleisi contra a do senador Lindbergh Farias (RJ).
A senadora obteve 61,9% dos votos, contra 38,1% recebidos por Farias. Gleisi comandará o PT pelos próximos dois anos e conduzirá a legenda nas eleições presidenciais de 2018.
Nas conversas, Lula defendeu que a eleição da senadora seria fundamental para manter a unidade partidária. Para evitar uma derrota pessoal e de sua corrente, a CNB, o ex-presidente procurou dirigentes de duas correntes minoritárias - o Optei e o Movimento PT - para que apoiassem a senadora.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia