Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de junho de 2017. Atualizado às 23h51.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 29/06/2017. Alterada em 28/06 às 19h44min

Ilegalidades de toga

Paulo Egidio
O jornalista Reinaldo Azevedo teve conversas telefônicas com Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB), divulgadas pelo STF. Apesar de a interlocutora ser investigada e estar presa, nenhuma das interceptações entre eles apresenta qualquer indício de crime. A todos os jornalistas brasileiros é resguardado o sigilo da fonte. Coincidência ou não, Azevedo é um dos únicos jornalistas da chamada "grande mídia" a fazer duras críticas à Operação Lava Jato. Desde a encenação feita pelos procuradores de Curitiba na acusação ao ex-presidente Lula (PT). Reinaldo Azevedo é contra sua prisão, por considerar que não há provas para tal. O jornalista atacou a operação da PGR que pede a prisão de Aécio e a autorização à gravação escondida do presidente Michel Temer (PMDB). Segundo ele, a Constituição diz que um senador não pode ser preso sem flagrante e sem a confirmação do plenário do Senado, e também não prevê que uma gravação seja utilizada como prova. Reinaldo Azevedo tem direito de criticar a Lava Jato - ou qualquer outro ato do Judiciário. E isso não significa defender Lula, Aécio ou Temer, mas defender as regras do jogo.
Estudante de Jornalismo, Unisinos/POA
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia