Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de junho de 2017. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rússia

Notícia da edição impressa de 26/06/2017. Alterada em 25/06 às 19h17min

Justiça torna líder opositor de Putin inelegível

Navalny postulava a presidência e chama a decisão de armação

Navalny postulava a presidência e chama a decisão de armação


ANDREY BORODULIN/ANDREY BORODULIN/AFP/JC
A Comissão Central Eleitoral da Rússia barrou, na sexta-feira, a possibilidade de candidatura de Alexei Navalny, o blogueiro e líder opositor que comandou os mais recentes protestos contra o governo de Vladimir Putin. Ele postulava ser candidato a presidente em 2018.
A alegação para a proibição foi o fato de Navalny ter sido condenado, em 2013, a cinco anos de prisão por desvio de recursos. Ele diz que a condenação é uma armação, no que foi apoiado pela Corte Europeia de Direitos Humanos. A lei russa estabelece que uma pessoa sentenciada criminalmente só pode concorrer a cargos eletivos dez anos após a condenação.
O caso tem elementos obscuros. Navalny teria desviado madeira quando era um consultor não remunerado da região administrativa de Kirov, gerando prejuízo de US$ 500 mil. Só que a Justiça nunca conseguiu estipular onde estaria o dinheiro ou para onde teria ido o produto do suposto crime. Ele diz que a condenação só busca tirá-lo da corrida presidencial. O blogueiro, aliás, está cumprindo 30 dias de prisão por organizar atos não sancionados pelo governo contra Putin, há duas semanas.
Advogado de 41 anos, Navalny emergiu como a principal voz da oposição russa, a partir de denúncias contra corrupção na Rússia feitas em seu blog. Sem vínculos partidários tradicionais, ele fundou uma agremiação nanica e disputou a prefeitura de Moscou em 2013, ficando em segundo lugar, com 27%, em uma campanha baseada em ativismo por redes sociais.
Ele também coordena a Fundação Russa Anticorrupção, que investiga figuras do establishment putinista. Navalny faz mais barulho que seus antecessores na tarefa de desafiar o Kremlin. O político liberal Boris Nemtsov acabou assassinado, e o enxadrista Garry Kasparov se mudou para os EUA. Mikhail Khodorkovski foi preso sob acusação de desvios e lavagem de dinheiro em 2003 e só saiu da cadeia em 2013. Ainda assim, ele aparece com marginais 1% de intenção de voto nas pesquisas mais recentes, e com uma rejeição alta. O fato de ser ignorado solenemente pela televisão estatal russa, exceto quando para sofrer críticas, pode ter a ver com isso.
Se Navalny não estiver no páreo, há dúvidas sobre quem desafiará Putin, que poderá concorrer à reeleição. O Partido Comunista deve ter Gennadi Ziuganov como candidato, como ocorre há anos, para ficar em segundo lugar. Outros nomes não despontam com força, e hoje apenas quatro agremiações, das 70 existentes no país, cumprem requisitos para lançar candidatos ao Kremlin.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia