Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de junho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rio de Janeiro

Notícia da edição impressa de 26/06/2017. Alterada em 25/06 às 18h14min

Justiça Militar condena dois policiais envolvidos no caso Amarildo

O major Edson Raimundo dos Santos e o soldado Newland de Oliveira foram condenados pela Justiça Militar a quatro anos de prisão cada um por corromper duas testemunhas no caso do sumiço do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza.
Amarildo morava na favela da Rocinha, na zona Sul do Rio de Janeiro, e desapareceu em julho de 2013, após ser conduzido para averiguação por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) situada na comunidade. Embora a polícia tenha concluído que Amarildo morreu, seu corpo nunca foi localizado. O major já havia sido condenado a 13 anos e sete meses de prisão pelos crimes de tortura seguida de morte, ocultação de cadáver e fraude processual.
Outros dois acusados de corromper essas testemunhas, o tenente Luiz Felipe de Medeiros e o soldado Bruno Medeiros Athanazio, foram absolvidos no julgamento, realizado na quinta-feira. A absolvição de Luiz Felipe foi pedida pelo Ministério Público, que acusou os outros três policiais de dar dinheiro a duas testemunhas para que afirmassem à Polícia Civil que traficantes da Rocinha haviam matado Amarildo. Essas testemunhas são mãe e filho, que estão desaparecidos desde 2014. A Justiça não conseguiu localizá-los para interrogatório.
Os advogados dos policiais alegaram cerceamento de defesa por não terem podido interrogar as testemunhas. Mas os cinco julgadores da Auditoria de Justiça Militar consideraram que as provas eram suficientes para condenar os dois policiais militares a dois anos de prisão por cada vítima.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia