Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de junho de 2017. Atualizado às 13h32.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

16/06/2017 - 13h33min. Alterada em 16/06 às 13h33min

Trump revoga promessa de deportar imigrantes ilegais nos EUA, diz jornal

Trump revoga medida que atingia quem chegou com menos de 16 anos e têm hoje menos 35

Trump revoga medida que atingia quem chegou com menos de 16 anos e têm hoje menos 35


SAUL LOEB/AFP/JC
Agência Folhapress
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revogou oficialmente uma das promessas de sua campanha para deportar imigrantes ilegais conhecidos como "dreamers", que chegaram ao país com menos de 16 anos e têm hoje menos de 35, publicou nesta sexta-feira (16) o jornal americano The New York Times.
De acordo com o jornal, o Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos anunciou que continuaria o programa Daca, de 2012, destinado a proteger esses imigrantes da deportação e fornecer a eles permissão de trabalho para que se encontrem em situação legal.
Em abril, Trump já havia dito à agência de notícias Associated Press que os "dreamers" poderiam "ficar tranquilos" pois não serão deportados. "Não estamos atrás dos 'dreamers', estamos atrás dos criminosos", afirmou à época. A decisão deve desagradar eleitores de Trump, já que alguns consideram o programa como uma concessão ilegal de "anistia" aos imigrantes. Durante a sua campanha eleitoral, o presidente norte-americanofoi fiel à retórica linha-dura contra os 11 milhões de imigrantes ilegais nos EUA e prometeu interromper "imediatamente" o Daca.
A decisão de continuar o programa Daca foi tomada quando a administração deu um fim à tentativa de expandir o programa também para os pais dos "dreamers" -proposta feita pelo ex-presidente Barack Obama, mas que nunca foi implementada.
Em março, Trump assinou decreto proibindo temporariamente a entrada de cidadãos de países de maioria muçulmana e de refugiados, retirando o Iraque da lista das nações vetadas. O decreto foi posteriormente suspenso por juízes americanos, em grande revés ao presidente norte-americano.
O governo Trump, no entanto, pode ter estabelecido uma forma mais sutil de frear a entrada do grupo no país: reduzir a emissão de vistos. Segundo dados do Departamento de Estado, em abril, o número de vistos de visitantes para pessoas nascidas em todos os países da lista -Síria, Libia, Somália, Sudão, Irã e Iêmen- caiu 21% em relação a março deste ano e 55% à média mensal de 2016.
O total de vistos de visitantes para todos os países também diminuiu, em abril, em relação a 2016 -mas 15%. Para brasileiros, caiu 4% em relação à média de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia