Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de junho de 2017. Atualizado às 00h02.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Notícia da edição impressa de 16/06/2017. Alterada em 15/06 às 22h19min

ONG quer que autoridades respondam por violações

A ONG Human Rights Watch pediu a seis altos funcionários da Venezuela que respondam por supostas violações de direitos humanos cometidos durante a repressão aos protestos que abalaram o país nos últimos dois meses. A organização humanitária apontou, entre outros, o comandante Vladimir Padrino López, ministro da Defesa; o comandante-geral da Guarda Nacional, major-general José Antonio Benavides Torres; o ministro do Interior, major-general Néstor Reverol; e o general Carlos Alfredo Pérez Ampueda, diretor da Polícia Nacional Bolivariana.
"Os responsáveis pelas forças de segurança envolvidos nos abusos graves que ocorrem diariamente na Venezuela não estão tomando medidas para evitar violações dos direitos humanos e trazer os responsáveis à justiça", afirmou José Miguel Vivanco, diretor para as Américas do Human Rights Watch.
Há mais de dois meses a Venezuela vive uma onda de manifestações, a favor e contra o presidente Nicolás Maduro, que desencadearam episódios violentos resultando em 67 mortes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia