Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de junho de 2017. Atualizado às 00h02.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 16/06/2017. Alterada em 15/06 às 22h16min

Número de mortos em incêndio sobe para 17

Moradores vinham denunciando padrões de segurança do Grenfell Tower

Moradores vinham denunciando padrões de segurança do Grenfell Tower


TOLGA AKMEN/TOLGA AKMEN/AFP/JC
As autoridades britânicas informaram, nesta quinta-feira, que subiu para 17 o número de mortos no incêndio ocorrido um dia antes em um prédio residencial em Londres. A expectativa é que o número aumente ainda mais à medida que os bombeiros avancem suas buscas no local.
A polícia não informou a quantidade de desaparecidos, gerando frustração entre familiares. Ao menos 24 nomes de pessoas não encontradas têm circulado entre parentes e amigos dos moradores do prédio.
Os bombeiros terminaram de apagar as últimas chamas do edifício na manhã desta quinta-feira e trabalhavam para garantir a segurança da estrutura do local para prosseguir com as buscas. A rainha Elizabeth II prestou homenagem "à bravura dos bombeiros e outros serviços de emergência que arriscaram suas vidas para salvar outras pessoas".
A primeira-ministra Theresa May visitou o local e prometeu uma "investigação adequada" sobre as causas do incêndio. "Precisamos saber o que aconteceu, precisamos ter uma explicação. As pessoas merecem respostas, e a investigação lhes dará isso", declarou. A polícia abriu um inquérito criminal sobre o episódio e disse que não há indícios de que o incêndio tenha relação com o terrorismo - o Reino Unido foi alvo de três atentados desde março, os quais deixaram um total 35 mortos.
O edifício Grenfell Tower foi construído em 1974 e reformado no ano passado em uma obra orçada em 10 milhões de libras (R$ 46 milhões), segundo o jornal Financial Times. Em seus 24 andares, abrigava 120 apartamentos em torno de uma única escadaria. Ao lado de um parque e diante de uma escola de Ensino Fundamental, ele está localizado na porção norte de Kensington, colado a Notting Hill, região rica de Londres.
O fogo começou no segundo andar e logo se espalhou pelo prédio de 70 metros. A comissária de Bombeiros Dany Cotton disse nunca ter visto incêndio tão grande nos 29 anos de sua carreira. Testemunhas relataram terem visto moradores do prédio gritando por ajuda e, em alguns casos, jogando crianças pelas janelas para salvá-las das chamas.
Moradores do prédio registraram, nos últimos anos, diversas reclamações sobre os padrões de segurança do edifício. Em novembro, o blog do Grupo de Ação de Grenfell alertou que apenas "um evento catastrófico irá expor a inaptidão e incompetência dos administradores (...) e pôr um fim às condições de vida perigosas e à negligência em relação à legislação de saúde e segurança".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia