Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 13h43.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 08/06 às 13h46min

Relação de Trump com Rússia é ilegal para 31% dos americanos, aponta pesquisa

Pesquisa feita pela Universidade Quinnipiac, nos Estados Unidos, aponta que 31% dos eleitores americanos acreditam que o presidente do país, Donald Trump, cometeu irregularidade ao supostamente ter mantido relações com a Rússia durante a eleição presidencial de 2016. Outros 29% acreditam que Trump agiu de forma antiética. Para 32% dos eleitores, porém, o presidente dos EUA não fez nada de errado.
Os pesquisadores ainda perguntaram aos eleitores o que eles achavam sobre o relacionamento dos assessores de Trump com a Rússia. Do total, 40% dos eleitores responderam que foi algo ilegal, enquanto 25% disseram ser algo antiético, mas não ilegal. Outros 24% responderam que os assessores de Trump não teriam feito nada de errado.
Quando perguntados sobre se aprovam ou não o trabalho de Trump na Casa Branca, 57% dos entrevistados desaprovam o governo. Outros 34% aprovam, enquanto 9% não souberam ou não quiseram responder à pesquisa.
Os resultados saíram na véspera do depoimento do ex-diretor do Escritório de Investigação Federal (FBI, na sigla em inglês) James Comey ao Congresso dos EUA. Ele vai esclarecer a investigação que conduzia sobre o antigo assessor de Segurança Nacional do governo Trump, Michael Flynn, e suas relações com a Rússia, além de um suposto envolvimento dos russos com a campanha eleitoral do presidente em 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia