Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de junho de 2017. Atualizado às 13h19.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

terrorismo

Alterada em 07/06 às 13h20min

Sobe para 12 número de mortos em ataque no Parlamento e em mausoléu no Irã

Vários homens armados e também suicidas atacaram o Parlamento e o mausoléu de Khomeini

Vários homens armados e também suicidas atacaram o Parlamento e o mausoléu de Khomeini


MID VAHABZADEH/FARS NEWS/AFP/JC
Subiu para 12 o número de mortos, com 42 feridos, nos ataques ocorridos nesta quarta-feira no Parlamento em Teerã e no mausoléu do aiatolá Ruhollah Khomeini, segundo a imprensa estatal do Irã. A informação foi atribuída a Pirhossein Kolivand, diretor do Departamento de Emergências do país.
Vários homens armados e também suicidas atacaram o Parlamento e o mausoléu de Khomeini, em um cerco que durou horas e terminou com quatro agressores mortos. O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque.
O governo do Paquistão lamentou o episódio e disse que se solidariza com o vizinho. A Síria também condenou a ação, dizendo que ela foi apoiada por vários governos, não especificados. O regime da Síria várias vezes diz, sem apresentar provas, que o Estado Islâmico é apoiado pelo Ocidente e por outras forças que desejam depor o presidente sírio, Bashar al-Assad.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ofereceu suas condolências e comprometeu-se a ajudar no combate ao terrorismo internacional. Putin argumentou que o episódio é um lembrete da necessidade de maior cooperação internacional contra o terrorismo.
A agência semioficial iraniana Tasmin disse que o ataque ao Parlamento durou mais de 3 horas. É a primeira vez que o Estado Islâmico reivindica um ataque no Irã. O grupo extremista sunita está em guerra com forças apoiadas pelo Irã na Síria e no Iraque e vê a maioria xiita do Irã como apóstatas que merecem a morte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia