Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 22h47.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Crise Diplomática

Notícia da edição impressa de 06/06/2017. Alterada em 05/06 às 20h00min

Nações árabes rompem relações com o Catar

Arábia Saudita deu 14 dias para que cidadãos catarianos saiam do país

Arábia Saudita deu 14 dias para que cidadãos catarianos saiam do país


FAYEZ NURELDINE/FAYEZ NURELDINE/AFP/JC
A decisão de quatro nações árabes, Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito, de cortar relações com o Catar atingiu o ponto mais alto de anos de tensões entre a aliança histórica dos estados ricos em energia do Golfo Pérsico que compartilham fronteiras, heranças e uma forte aliança com os Estados Unidos.
A medida reflete um descontentamento antigo pelo apoio do Catar a grupos islamitas que são considerados terroristas por outras nações árabes, assim como no aumento da rivalidade entre a Arábia Saudita e o Irã. O impacto que essa cisão terá sobre o Catar, onde está localizada a principal base militar dos Estados Unidos usada para lançar ataques aéreos sobre o Estado Islâmico (EI), depende das próximas medidas que serão tomadas. Segundo analistas, a recente visita do presidente norte-americano, Donald Trump, à Arábia Saudita deu força para a posição dos países árabes de maioria sunita contra o Irã.
O Catar é um país pequeno, mas importante, pois nele encontra-se a base aérea al-Udeid, dos EUA, que serve como principal ponto de lançamentos de mísseis da coalizão liderada pelos norte-americanos contra o EI no Iraque e na Síria. Além disso, o Catar é o principal produtor de gás natural liquefeito e compartilha um vasto território subaquático com o Irã.
O país também tem papel importante na articulação com grupos que outros governos evitam dialogar, como militantes xiitas do Iraque e grupos ligados à Al-Qaeda, e foi mediador nas negociações entre o Taliban e o governo do Afeganistão. Além disso, deu apoio à Irmandade Muçulmana no Egito, assim como grupos islamitas na região, como o Hamas, que controla a Faixa de Gaza. 
Como consequência dessas medidas, a economia do Catar pode sofrer a longo prazo, uma vez que as ações devem afetar milhões de trabalhadores, imigrantes e expatriados que vivem entre esses países. A Arábia Saudita concedeu 14 dias para que os residentes do Catar saiam do país e ordenou que os cidadãos sauditas não residam, visitem ou passeiem pela nação vizinha.
Outra consequência é que Emirados Árabes Unidos, Egito, Bahrein e Arábia Saudita já suspenderem as relações diplomáticas com o Catar, que está retirando suas tropas da guerra no Iêmen, liderada pelos sauditas. O Catar nega apoiar grupos terroristas na Síria ou em outras regiões, apesar dos repetidos esforços para apoiar grupos rebeldes sunitas que lutam para acabar com o governo sírio de Bashar al-Assad.
Até o momento, o Catar não se mostrou disposto a dialogar com os vizinhos. O emir do país pode retaliar as medidas ao pedir para sair do Conselho de Cooperação do Golfo, composto por seis nações, além de refazer alianças estratégicas para tentar isolar a Arábia Saudita.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia