Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de junho de 2017. Atualizado às 22h19.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente Médio

Notícia da edição impressa de 05/06/2017. Alterada em 04/06 às 19h25min

Batalha pela capital do EI deve iniciar em dias, dizem curdos

Sob controle do grupo desde janeiro de 2014, cidade é a maior cidade a cair nas mãos do EI na Síria

Sob controle do grupo desde janeiro de 2014, cidade é a maior cidade a cair nas mãos do EI na Síria


DELIL SOULEIMAN/AFP/JC
A batalha pelo controle da capital de fato do grupo extremista Estado Islâmico (EI), Raqqa, no Norte da Síria, irá começar "em alguns dias", afirmou ontem a porta-voz das Forças Democráticas Sírias (SDF, na sigla em inglês), Cihan Sheikh Ehmed. As forças da milícia curda, que é apoiada pelos Estados Unidos, estão acampadas em torno das divisões Norte e Leste da cidade. Uma terceira frente tenta se aproximar da face Sul da cidade, próxima ao rio Eufrates.
Segundo o Observatório da Síria de Direitos Humanos, um grupo baseado no Reino Unido, o SDF tem combatido as forças extremistas próximo de Masoura, a aproximadamente 26 quilômetros do Sudoeste de Raqqa. A capital será um desafio diferente para as forças curdas, que capturaram cidades e fortalezas menores do EI na região. Em março, acreditava-se que 300 mil pessoas moravam na cidade. Ativistas afirmam que os extremistas não os deixam deixar o município, para utilizá-los como escudos humanos.
Raqqa é a maior cidade a cair nas mãos do EI na Síria, em janeiro de 2014. Após dois anos de avanços impressionantes, o grupo cindiu com a Al-Qaeda e declarou um califado na região, que chegava até Mosul, no Iraque.
Atualmente, o EI também enfrenta dificuldades em manter controle em Mosul. A maior parte da cidade já foi capturada pelo exército iraquiano apoiadas pela Força Aérea dos Estados Unidos. Na quarta-feira passada, a agência de notícias do EI, Aamaq, relatou que a coalizão destruiu o principal centro de telecomunicações de Raqqa.

Tropas iraquianas retoma distrito perto de Mosul e da Síria

Um oficial sênior das Forças de Mobilização Popular, grupo paramilitar com respaldo do governo iraquiano, afirmou que suas tropas retomaram Baaj, importante cidade a Oeste da cidade de Mosul, na manhã de ontem. A localidade estava sob controle do Estado Islâmico (EI).
Baaj fica próxima à fronteira com a Síria e é considerada uma das rotas mais importantes para o transporte de suprimentos provenientes da Síria para militantes do EI.
Abu Mahdi al-Muhandis afirmou em comunicado que a ação é uma "grande e qualitativa conquista" da operação iniciada em outubro, com apoio do governo dos Estados Unidos, para retomar Mosul e interromper a chega de suprimentos a grupos ligados ao Estado Islâmico. As Forças de Mobilização Popular são formadas principalmente por milícias xiitas, conhecidas em árabe como Hashed al-Shaabi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia