Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 17h38.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

01/06/2017 - 17h03min. Alterada em 01/06 às 17h39min

Trump anuncia retirada dos EUA do Acordo de Paris sobre o clima

Decisão - aguardada com ansiedade em todo o mundo - foi confirmada nesta quinta-feira

Decisão - aguardada com ansiedade em todo o mundo - foi confirmada nesta quinta-feira


SAUL LOEB/AFP/JC
Folhapress
O presidente Donald Trump anunciou nesta quinta-feira (1º) que os Estados Unidos deixarão o Acordo de Paris sobre o clima, assinado em dezembro de 2015 por 197 países e blocos. "Vamos buscar um acordo melhor", disse Trump a jornalistas, nos jardins da Casa Branca.
A decisão era aguardada com ansiedade em todo o mundo, já que os EUA são o segundo maior emissor de gás carbônico do mundo, atrás apenas da China. O compromisso assumido pelo país era de reduzir de 26% a 28% as emissões de gases causadores do efeito estufa até 2025. O governo de Barack Obama foi um dos fiadores do tratado.
Durante a campanha eleitoral, Trump já havia ameaçado retirar o país do acordo, enquanto defendia que o aquecimento global era uma "farsa". No entanto, havia divergências dentro da própria equipe do presidente sobre o destino do compromisso assumido na gestão Obama.
Enquanto o administrador da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês), Scott Pruitt, e o estrategista-chefe de Trump, Steve Bannon, defendiam que o país abandonasse o acordo, outro grupo, liderado pela filha do presidente, Ivanka, e pelo secretário de Estado, Rex Tillerson, advogava pela permanência, prevendo que o acordo dá margem para ajustes nas metas assumidas.
O tratado de Paris é a principal iniciativa global para frear as mudanças climáticas, criando o compromisso de manter o aquecimento da Terra abaixo de 2°C (em relação à era pré-industrial) até o fim do século, tentando limitá-lo a 1,5°C.
Na cúpula do G7 (grupo das sete principais economias desenvolvidas) na semana passada na Itália, Trump fora pressionado por líderes mundiais a manter os EUA no pacto.
A saída dos EUA deve comprometer metas do acordo e mudar a forma como outros governos, sobretudo os de países em desenvolvimento como China e Índia, tratam o compromisso. Durante as negociações, esses países arrogaram-se o "direito de poluir" por mais tempo, já que sua industrialização e sua consequente ação poluidora é mais tardia.
No entanto, a China anunciará nesta sexta (2) um acordo com a União Europeia para tomar medidas que "acelerem o processo irreversível de reduzir o uso de combustíveis fósseis". Tal entendimento e o consequente engajamento chinês no processo poderiam, segundo analistas, mitigar parte do efeito da saída dos EUA do Acordo de Paris.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia