Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de junho de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 13/06/2017. Alterada em 12/06 às 20h59min

TJ-RS aceita denúncia contra médicos envolvidos na fraude das próteses

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) recebeu, ontem, denúncia contra quatro médicos acusados de envolvimento na chamada máfia das próteses. Com a decisão, os profissionais Antonio Carlos Sábio Júnior, Henrique Alves Cruz, Marcelo Leal Tafas e Alfredo Sanchis Gritsch responderão pelos crimes de organização criminosa e estelionatos consumados e tentados, em continuidade delitiva.
Os quatro médicos haviam sido retirados da denúncia original, apresentada contra outras 13 pessoas no ano passado. O Ministério Público, porém, recorreu da decisão em primeiro grau, alegando a existência de indícios suficientes de autoria. O relator do recurso, desembargador Julio Cesar Finger, contestou argumentação usada na primeira decisão, que dizia não ser possível reconhecer a participação dos réus na falsificação de assinaturas em laudos e relatórios médicos que indicavam a necessidade de cirurgias. Segundo Finger, há indícios de que a participação dos réus ia além disso, envolvendo orçamentos forjados e procedimentos pós-operatórios de diversos pacientes.
De acordo com a denúncia do Ministério Público, o esquema encaminhava cirurgias de coluna que previam o uso de próteses superfaturadas em até 752%, fornecidas a partir de laudos forjados por empresas envolvidas no esquema. Os médicos indicavam advogados aos pacientes, sugerindo que entrassem na Justiça solicitando que o poder público custeasse os procedimentos. A estimativa é que o grupo tenha lucrado pelo menos R$ 1,79 milhão com a fraude.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia