Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 17 de junho de 2017. Atualizado às 17h08.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa das Confederações

Alterada em 17/06 às 17h14min

Rússia domina e bate a Nova Zelândia na abertura da Copa das Confederações

Presidente Putin (esquerda) com o presidente da Fifa na estreia da copa em São Petersburgo

Presidente Putin (esquerda) com o presidente da Fifa na estreia da copa em São Petersburgo


ALEXEY DRUZHININ/AFP/JC
A Rússia cumpriu seu dever e venceu sem maiores dificuldades a frágil Nova Zelândia neste sábado (17), na abertura da Copa das Confederações. Em uma bonita festa da torcida no Estádio São Petersburgo, com direito à presença do presidente Vladimir Putin e de Pelé nas tribunas, o time da casa dominou o confronto e levou a melhor por 2 a 0, com gols de Boxall, contra, e Smolov.
O resultado dá aos anfitriões os primeiros pontos no Grupo A do torneio, mas, mais do que isso, sela a paz da equipe com a torcida. Afinal, a Rússia chegou para a Copa das Confederações sob muitas dúvidas e com resultados recentes pífios. Ao menos neste sábado, no entanto, a seleção foi apoiada ao longo dos 90 minutos e buscou o resultado com um boa atuação.
A Nova Zelândia, por sua vez, tentou jogar dentro de suas características, fechada, mas viu o adversário construir o placar em tarde infeliz do zagueiro Boxall, que marcou o primeiro gol contra e falhou no segundo.
O Grupo A terá sua primeira rodada finalizada neste domingo com o confronto entre Portugal e México em Kazan, ao meio-dia (horário de Brasília). No mesmo dia, o Grupo B terá sua primeira partida realizada, entre Camarões e Chile, às 15 horas, em Moscou.
O JOGO - Embalada pela bonita festa nas arquibancadas, a Rússia foi para cima no início e criou bons momentos antes dos dez minutos. O primeiro chute aconteceu aos dois, quando Golovin, uma das principais apostas da equipe, arriscou de fora da área e deu trabalho para Marinovic.
Aos seis, Samedov cruzou e Vasin acertou a trave. A bola entraria, mas McGlinchey, em cima da linha, afastou. A blitz russa seguiu e logo aos oito, a Nova Zelândia se safou mais uma vez. Poloz recebeu na área, dominou e tocou na saída do goleiro. O chute não saiu firme, o que permitiu que Smith afastasse embaixo do gol.
Era impossível manter aquele ritmo e, por isso, a Rússia passou a administrar a partida. Mas justamente quando a Nova Zelândia parecia menos sofrer, saiu o primeiro gol. Erokhin apertou a saída de bola adversária, roubou e tocou para Poloz, que, esperto, encontrou Glushakov. O meio-campista recebeu em velocidade e deu um toque por cima do goleiro. A bola ainda bateu na trave, voltou no corpo de Boxall e tomou a direção do gol.
Sem levar qualquer susto, a Rússia seguiu administrando o confronto e se mostrava satisfeita com a vantagem. Mas na volta para o segundo tempo, voltou a pressionar. Logo aos dois minutos, Poloz recebeu cruzamento da direita e cabeceou para grande defesa de Marinovic. O goleiro ainda mostrou explosão para bloquear o chute de Erokhin no rebote.
Marinovic se transformava em um dos personagens da partida e voltou a salvar a Nova Zelândia aos sete, em bela finalização de Poloz. Mas aos 23, nada pôde fazer. Smolov recebeu no meio de campo, fez boa jogada e abriu pela direita com Samedov. O ala chegou cruzando rasteiro, Boxall furou ao tentar cortar e a bola ficou limpa para o próprio Smolov tocar para a rede.
O segundo gol fez a Rússia relaxar, e aí, a Nova Zelândia quase chegou ao gol de honra. Aos 31, Thomas arriscou de fora da área e exigiu grande defesa de Akinfeev. Na cobrança de escanteio, Smith desviou de cabeça e Zhirkov tirou em cima da linha. Mas nada que estragasse a festa russa, que ficou completa com os aplausos da torcida após o apito final.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia