Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de junho de 2017. Atualizado às 09h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

30/06/2017 - 09h30min. Alterada em 30/06 às 09h38min

Desemprego no trimestre até maio é maior desde 2012 no Brasil

Indicador mostra que desocupação cresce na comparação com mesmo período de 2016

Indicador mostra que desocupação cresce na comparação com mesmo período de 2016


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A taxa de desocupação foi estimada em 13,3% no trimestre março-abril-maio 2017 no Brasil, permanecendo estável em relação ao trimestre dezembro-janeiro-fevereiro, segundo o site do IBGE. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando a taxa foi estimada em 11,2%, o quadro foi de elevação (2,1 pontos percentuais). Esta foi a maior taxa de desocupação para o trimestre terminado em maio desde o início da série da pesquisa, no primeiro trimestre de 2012.
A população desocupada foi estimada em 13,8 milhões, permanecendo estável em relação ao trimestre anterior e 20,4% (mais 2,3 milhões de pessoas) maior que no mesmo trimestre de 2016. A população ocupada (89,7 milhões) manteve-se estável em relação ao trimestre anterior, mas caiu 1,3% (menos 1,2 milhão de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2016.
O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) também ficou estável em relação ao trimestre anterior (53,4%). Em relação ao nível de ocupação do mesmo trimestre de 2016 (54,7%), houve retração de 1,3 ponto percentual. Este foi o menor nível da ocupação da série histórica da pesquisa para trimestres terminados em maio.
O número de empregados com carteira de trabalho assinada (33,3 milhões) apresentou redução em ambos os períodos de comparação: frente ao trimestre dezembro-janeiro-fevereiro (-1,4% ou menos 479 mil pessoas) e no confronto com o trimestre de março a maio de 2016 (-3,4% ou redução de 1,2 milhão de pessoas).
O rendimento médio real habitual (R$ 2.109) no trimestre encerrado em maio de 2017 manteve estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 2.102) e, também, em relação ao mesmo trimestre de 2016 (R$ 2.062). A massa de rendimento real habitual (R$ 184,4 bilhões) no trimestre encerrado em maio de 2017 também ficou estável nas duas comparações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia