Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de junho de 2017. Atualizado às 22h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 30/06/2017. Alterada em 29/06 às 21h21min

Vendas nos supermercados crescem 1,06% em maio

Os supermercados brasileiros registraram crescimento real de 1,06% nas vendas em maio na comparação com igual período do ano anterior, de acordo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O dado considera o resultado já descontada a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, as vendas reais cresceram 0,61% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já ante abril deste ano, houve queda de 6,96%.
Em termos nominais, sem descontar a inflação, o crescimento de vendas em maio foi de 4,72% ante o mesmo mês de 2016. Em cinco meses, o crescimento nominal acumulado é de 5,15%.
A Abras considerou que o crescimento das vendas em maio ante o ano anterior reflete uma recuperação do cenário de emprego nos últimos dois meses e o baixo patamar de inflação. Apesar disso, a entidade avaliou que o momento ainda é de cautela, em meio ao cenário de crise política.
"O cenário político brasileiro tem passado por novas reviravoltas, e isso também afeta a confiança e a intenção de compra da população", afirmou, em nota, o presidente da Abras, João Sanzovo Neto.
A AbrasMercado, cesta de 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK a pedido da Abras, apresentou queda de 0,54% nos preços em maio em relação a abril deste ano. O preço do total dos itens passou de R$ 470,16 para R$ 467,62. Na comparação com maio de 2016, o indicador cresceu 0,43%.
Os produtos com maiores altas em maio, na comparação com abril, foram: cebola, cujo preço subiu 7,42%; batata, com alta de 6,90%; e sabão em pó, que teve alta de preço de 4,82%.
As maiores quedas foram tomate, cujo preço recuou 11,26%; farinha de mandioca, que ficou 8,53% mais barata; e queijo muçarela, com queda de 4,14%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia