Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 02 de julho de 2017. Atualizado às 23h31.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

VAREJO

Notícia da edição impressa de 30/06/2017. Alterada em 02/07 às 23h34min

Pesquisa traça perfil do consumidor de Porto Alegre

Liliane e Patrícia destacaram comportamento das famílias e impactos da crise

Liliane e Patrícia destacaram comportamento das famílias e impactos da crise


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Leonardo Fidélix e Luis Henrique Cunha*
Com o desafio de mostrar os hábitos dos consumidores em Porto Alegre, o Jornal do Comércio (JC) e a ESPM-Sul apresentaram ao mercado a 9ª edição da pesquisa "Os porto-alegrenses e o consumo", no pré-lançamento do caderno especial JC Dia do Comércio, que será veiculado em 14 de julho na edição impressa e nas plataformas digitais do jornal. A pesquisa trouxe como novidade o levantamento de perfis de consumidores, a partir de uma análise de comportamento e estilo de vida dos entrevistados.
A professora da ESPM-Sul e coordenadora da pesquisa, Liliane Rohde, apresentou os critérios e a metodologia utilizada, além dos principais dados do levantamento. Três segmentos da população de Porto Alegre foram rastreados: um primeiro grupo mais atualizado e preocupado com ecologia, um segundo menos conservador, mas que não se preocupa com a ecologia, e um terceiro com perfil conservador. Um dos achados da pesquisa é o impacto da crise econômica no consumo da população entre 2016 e 2017, que provocou a redução de consumo de entretenimento e lazer, por exemplo.
"As opções de lazer dos porto-alegrenses estão bastante reduzidas. A gente investigou viagem, e o tombo (do consumo) das pessoas que viajam foi inacreditável. De duas vezes por ano, que aparecia com quase 20%, passou a apenas 3%", frisou. Mesmo com a redução das opções de lazer por parte da população, o costume de ir ao shopping center se manteve, aparecendo como uma opção, mas com algumas alterações na frequência, crescendo os intervalos maiores, com idas mensais ou eventuais. O comércio de rua ainda é a preferência na hora de buscar produtos, por conveniência e preço baixo. Tudo porque, em um País em crise, o preço ainda é um diferencial.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/06/29/206x137/1_grafico_pesquisa_consumo_poa-1577520.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'595575823cde2', 'cd_midia':1577520, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/06/29/grafico_pesquisa_consumo_poa-1577520.jpg', 'ds_midia': 'Gráfico Pesquisa Consumo POA', 'ds_midia_credi': 'Gráfico Pesquisa Consumo POA', 'ds_midia_titlo': 'Gráfico Pesquisa Consumo POA', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '578', 'align': 'Left'}
A economista da Fecomércio-RS Patrícia Palermo, também professora da ESPM-Sul, buscou a relação entre a situação da economia brasileira e os impactos da mudança no consumo das famílias para o desempenho do PIB, fazendo, assim, uma relação com a pesquisa. Segundo Patrícia, esse tipo de análise é fundamental para quem atua no varejo.
A diretora-geral das lojas Gang, Ana Luiza Ferrão Cardoso, apresentou ações da rede e como a empresa coloca em prática as sinalizações das pesquisas sobre o comportamento do consumidor gaúcho, exemplo do estudo realizado por JC e ESPM. "Sem entender o consumidor e as pessoas com quem a gente está se conectando, é impossível entregar uma proposta de valor verdadeira", afirma Ana Luiza. A plateia trouxe questões envolvendo a importância da inovação para os comerciantes e as percepções que os clientes levam em conta na hora da compra - além da questão do e-commerce e como este canal deve ser um aliado, e não concorrente em uma empresa. "Com essa pesquisa, podemos basear e especificar todas as ações da empresa. Por isso, é de suma importância esse tipo de trabalho", valorizou a diretora-geral das lojas Gang.
*Alunos de Jornalismo da ESPM-Sul, que participaram da cobertura conjunta com a redação do JC
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia