Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de junho de 2017. Atualizado às 23h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Notícia da edição impressa de 29/06/2017. Alterada em 28/06 às 20h12min

Bandeira Elo será aceita em todas as maquininhas

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) assinou, ontem, um acordo com a Elo para que essa bandeira de cartão de débito e crédito seja aceita em todas as maquininhas de cartão. O órgão de defesa da concorrência concluiu que os estabelecimentos comerciais são obrigados a contratar a Cielo, que fornece as máquinas para captura da transação, para aceitar os cartões Elo.
Com o acordo, a partir de 31 de julho, a Elo deverá habilitar outras empresas fornecedoras de máquinas de cartão concorrentes da Cielo para a captura de transações de sua bandeira, pondo fim à atual exclusividade. A bandeira Elo é da Caixa Econômica Federal, Bradesco e Banco do Brasil.
"Vigoram atualmente algumas relações de exclusividade entre bandeiras e determinadas credenciadoras, que impossibilitam a captura, em um mesmo equipamento, de todas as bandeiras de cartões de crédito e débito que atuam no mercado brasileiro. Ou seja, a prática obriga os estabelecimentos comerciais a contratarem a Cielo para que possam aceitar os cartões de bandeira Elo como forma de pagamento", informou o Cade.
Para possibilitar maior concorrência no mercado, o Cade também assinou um acordo com a Cielo para fazer com que a empresa seja obrigada a dar acesso a suas máquinas de captura a todas as demais credenciadoras do País, desde que essas empresas concedam o mesmo tratamento à companhia.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia