Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de junho de 2017. Atualizado às 08h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Alterada em 28/06 às 08h42min

Ciberataque contra governo e empresas foi paralisado, diz Ucrânia

Ucrânia informou nesta quarta-feira (28) que paralisou a onda de ataques cibernéticos que suspenderam ontem o funcionamento da já crítica infraestrutura de redes governamentais e de empresas do país. A ação, cujos autores não foram identificados ainda, se espalhou para outros países da Europa e os Estados Unidos.
Em um comunicado, o gabinete de ministros da Ucrânia disse que o ataque "foi suspenso" e que as redes de comunicação estratégica do país estavam operando regularmente e em tempo integral.
"A situação está sob total controle de especialistas em cibersegurança. Eles trabalham agora para recuperar os dados perdidos", afirmou a nota do governo ucraniano.
O ataque foi realizado com o ransomware, um software alterado para interromper sistemas computacionais. Depois de instalado na máquina, o vírus exige uma extorsão em dinheiro para consertar o problema.
A empresa postal estatal da Ucrânia informou que está retomando gradualmente as operações e que os serviços de postagem e despacho de correspondências não foram totalmente afetados. Os bancos também voltaram a funcionar normalmente.
O conselheiro do Ministério do Interior da Ucrânia Anton Gerashchenko acusou a Rússia de ter sido responsável pelos ataques, como parte de um plano para desestabilizar o país europeu. O presidente russo, Vladimir Putin, apoia os separatistas do leste ucraniano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia