Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de junho de 2017. Atualizado às 22h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

infraestrutura

Notícia da edição impressa de 28/06/2017. Alterada em 27/06 às 21h20min

Bndes anuncia acordo com bancos para compartilhar garantias em projetos

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) anunciou ontem que fechou acordo com os principais bancos públicos e privados do País para compartilhar garantias nos financiamentos a projetos de infraestrutura. Os bancos que oferecerem fianças equivalentes a, pelo menos, 40% do total do financiamento terão direito a compartilhar garantias com o Bndes.
A nova regra já vale para os financiamentos a consórcios que venceram os leilões de concessão dos aeroportos de Fortaleza, Salvador, Porto Alegre e Florianópolis, em março deste ano, e os de rodovias paulistas.
"O modelo é inédito nos contratos firmados pelo banco e tem por objetivo reduzir custos nas operações de longo prazo no País", diz uma nota distribuída nesta terça-feira pela instituição de fomento.
Segundo o Bndes, a nova regra valerá para os empréstimos concedidos por sindicatos de bancos. "A instituição financeira que, individualmente, tiver participação relevante (mínimo de 20%) no projeto, também terá acesso às garantias", diz a nota.
Um dos objetivos é ampliar o uso das fianças, especialmente na fase chamada "pre-completion", durante as obras do empreendimento de infraestrutura, quando o risco é maior.
"Hoje, em geral, as empresas apresentam as fianças bancárias à medida que têm desembolsos a receber, e, com isso, há assimetria de informações, condições e prazos em um mesmo projeto. Geralmente, essas fianças cobrem os dois primeiros anos de um projeto, e o ideal é que elas sejam ampliadas para prazos de quatro a cinco anos, quando os projetos, geralmente, já apresentam viabilidade operacional", diz a nota do Bndes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia