Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 23h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 27/06/2017. Alterada em 26/06 às 21h05min

Entidades debatem terceirização da inspeção estadual

Em reunião realizada na manhã de ontem, a Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul (Seapi) detalhou ao Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Rio Grande do Sul (Simvet-RS) o projeto de terceirização da inspeção estadual de produtos de origem animal. No encontro, o secretário Ernani Polo e o médico veterinário e assessor Antônio Aguiar apresentaram o projeto para a presidente da entidade, Angelica Zollin.
Na ocasião, o secretário manifestou as dificuldades de atender aos pedidos de novas instalações e ampliações de plantas frigoríficas, assim como para credenciar municípios ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf) e a falta de profissionais para estas demandas. Mesmo que novos veterinários sejam chamados pelo Estado, serão para cobrir a falta de quadros já existentes.
Angelica salientou especialmente sobre os cursos de habilitação dos profissionais que irão atuar na inspeção das indústrias. A informação recebida é de que está sendo formatado um curso padrão homologado junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Rio Grande do Sul (Senai-RS). Outro ponto levantado pela presidente do Simvet-RS é sobre o controle dos habilitados. "Para funcionar este modelo, precisamos não só da cobrança das indústrias, como também das empresas que poderão fornecer os profissionais. Isso se trata de uma questão de saúde pública, e é preciso ter muita cautela", reforçou.
A dirigente também questionou sobre como seria controlada a questão de respeito aos direitos da categoria dos médicos veterinários, como o respeito ao piso salarial determinado pela legislação da atividade. A garantia dos representantes da Secretaria da Agricultura é a de que isto será contemplado e que os valores deverão ser respeitados pelas empresas contratantes. "Não podemos permitir que uma empresa pague menos para um profissional sob o efeito de precarização do trabalho e queda na qualidade da inspeção", observou Angelica.
A partir de agora, o Simvet-RS, em posse das informações sobre o projeto, vai promover nova rodada de discussões internas com o objetivo de avaliar quais pontos ainda podem ser melhor debatidos sobre o tema. A partir disto, um novo encontro com a Secretaria da Agricultura deve ser marcado para a apresentação de ideias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia