Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 23h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 27/06/2017. Alterada em 26/06 às 21h19min

Ibovespa tem pregão de recuperação e sobe 1,80%

O cenário externo positivo favoreceu um pregão de recuperação das ações brasileiras ontem. Apoiado na queda do dólar, na alta do petróleo e das bolsas internacionais, o Índice Bovespa já iniciou o dia em terreno positivo e fechou em alta de 1,80%, alcançando os 62.188 pontos. As estrelas do dia foram as ações do setor financeiro, cujos preços vinham sendo prejudicados pelas incertezas do cenário doméstico. Apesar do noticiário político escasso, a crise no governo continuou presente nos negócios, mantendo o investidor retraído. O volume somou R$ 5,739 bilhões, ante R$ 8,1 bilhões da média diária de junho.
Entre as 59 ações que compõem o Ibovespa, a maior alta foi de Banco do Brasil ON, que avançou 5,85%. A ação do BB, que reflete em boa parte o risco político e teve quedas superiores à média do mercado nos últimos dias. Bradesco PN, com avanço de 4,51%, foi a segunda maior alta do Ibovespa.
Também foram destaque os papéis da Petrobras, que subiram 1,55% (ON) e 2,85% (PN), alinhadas à alta dos preços do petróleo no mercado internacional. Vale ON e PN ( 0,84% e 1,50%) também contribuíram para o resultado final do índice. A queda do dólar foi outro fator positivo apontado no dia, embora tenha penalizado ações de empresas exportadoras, como Embraer ON (-1,77%), maior queda do Ibovespa.
.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia