Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de junho de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Notícia da edição impressa de 26/06/2017. Alterada em 25/06 às 19h23min

Setor de crédito dá sinais de recuperação, diz Serasa

Rossi acredita que o pior já passou

Rossi acredita que o pior já passou


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
O mercado de crédito dá sinais de estabilização, especialmente entre as pessoas físicas, o que fica evidente nos números relativos a consumo e inadimplência, disse o presidente do Serasa Experian, José Luiz Rossi. "Temos convicção de que o pior já passou, e todos os indicadores são de que batemos o fundo do poço e começamos uma recuperação lenta", disse.
Rossi pontuou, entretanto, que esse movimento é mais visível entre as pessoas físicas, uma vez que a inadimplência entre as empresas continua subindo. "O crédito é caro e há poucas garantias. O crédito praticado entre empresas é praticamente 85% do mercado", observou, como sinal das dificuldades ainda enfrentadas pelas companhias brasileiras.
Ele ressaltou, porém, que o número de pedidos de recuperação judicial entre as companhias começou a cair, em parte como reflexo da melhora nos indicadores de consumo entre as pessoas físicas. "O consumidor, principalmente de baixa renda, voltou a procurar o crédito, como efeito, entre outros, da liberação dos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia