Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de junho de 2017. Atualizado às 18h34.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

22/06/2017 - 18h36min. Alterada em 22/06 às 18h39min

Bolsas de Nova Iorque fecham sem direção única; setor de saúde é destaque

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam sem direção definida, perto da estabilidade, em um dia de avanço do petróleo e das ações de companhias do setor de saúde.
O índice Dow Jones fechou nesta quinta-feira (22), em queda de 0,06%, aos 21.397,29 pontos; o S&P 500 recuou 0,05%, para 2 434,50 pontos e o Nasdaq subiu 0,04%, para 6.236,69 pontos.
O setor de saúde foi o que apresentou o melhor desempenho na semana, estendendo os ganhos ao passo em que os republicanos do Senado americano revelaram seu projeto de lei para a saúde. A proposta enfrenta um futuro incerto, mas alguns dizem que sua divulgação foi um passo importante para a agenda do presidente Donald Trump.
Alguns analistas e investidores também estão atentos à reforma da saúde em busca de pistas sobre o ritmo dos cortes de impostos, em meio a apostas de a política vá melhorar os lucros corporativos.
As ações de saúde subiram 1,1% no índice de Biotecnologia da Nasdaq, que até agora avançou cerca de 10% na semana. Nesta quinta-feira, o ganho foi de 1,3%.
Embora os preços de petróleo tenham interrompido três sessões seguidas de perdas nesta quinta-feira, o respiro não foi suficiente para impulsionar as ações do setor de energia em Wall Street.
Os contratos do petróleo entraram no bear market nesta semana - quando os preços apresentam uma queda de 20% na comparação com a máxima do ano - em meio a preocupações com o aumento da produção nos EUA, como evidenciado ontem por um relatório do Departamento de Energia (DoE) do país.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia