Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de junho de 2017. Atualizado às 08h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 22/06 às 08h28min

Bolsas da Europa operam em queda, com setor de energia e bancos sob pressão

As bolsas europeias operam em baixa na manhã desta quinta-feira (22), com o setor de energia pressionado, diante da fraqueza recente dos preços do petróleo. Além disso, papéis de bancos têm uma jornada negativa em várias praças do continente.
O petróleo teve uma jornada bastante negativa ontem, fechando em baixa de mais de 2%, diante das dúvidas de investidores sobre se o excesso de oferta pode ser contido mais adiante. O dia foi de volatilidade, mas a queda se consolidou após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informar que a produção dos EUA aumentou na última semana e de relatos de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reluta em cortar mais a produção para tentar equilibrar o mercado. Nesta madrugada, os contratos de petróleo começaram a operar em baixa e agora tentam ensaiar uma alta. Não há por ora, porém, grandes fatores novos para uma recuperação decidida do preço do barril, o que mantém a cautela sobre o setor.
Em Londres, a ação das petroleiras Royal Dutch Shell e da BP recuavam 1,1% e 0,8% há pouco, respectivamente. Ações do setor de mineração em geral também caíam, diante da cautela com o setor de commodities. Anglo American recuava 1,06%.
Em outros mercados europeus, a fraqueza dos bancos influía, diante dos retornos menores em bônus de governos. Em Madri, por exemplo, o papel do Santander recuava 1,13%, enquanto em Frankfurt o do Commerzbank tinha baixa de 0,77% e o do Deutsche Bank, de 0,89%. Intesa Sanpaolo recuava 0,23% e UniCredit caía 1,30%, em Milão.
Na agenda de indicadores europeia, às 11h será divulgado o índice de confiança do consumidor da zona do euro preliminar de junho. Analistas preveem leve melhora no dado, para -3,0, de -3,3 no mês anterior.
Na agenda política, a primeira-ministra Theresa May deve participar mais tarde de um evento em Bruxelas, no qual ela apresentará os planos britânicos para os cidadãos da União Europeia que vivem no Reino Unido, como parte das negociações da saída do país do bloco, o chamado Brexit.
Às 6h36min (de Brasília), a Bolsa de Londres operava em baixa de 0,54%, Frankfurt caía 0,33% e Paris tinha baixa de 0,67%. A Bolsa de Milão tinha queda de 0,98%, Madri cedia 0,82% e Lisboa caía 0,79%. No câmbio, o euro subia a US$ 1,1171 e a libra caía a US$ 1,2660. Tanto o euro quanto a libra operavam perto da estabilidade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia